Click here to load reader

HOJB - memoria.bn.brmemoria.bn.br/pdf/348970/per348970_1913_00711.pdf · Siquer cifra que apuremos, ... cepçãono Club dos Diários e a soirée de Mme. e Mlle. Roosevelt ¦"Hoie,

  • View
    220

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of HOJB - memoria.bn.brmemoria.bn.br/pdf/348970/per348970_1913_00711.pdf · Siquer cifra que apuremos,...

  • .!____$ *>> - * '!*!.' "" "'-. -^.'''''-."''''-'' y.:-. a^Fa'-' _*" : -; '"" ' ''''*-!'-\PP'(>'"' ''"*'X''*'

    I li uw

    '-, ? >;

    *-' ' _s>_ :'-

    "

    .-..- :'". *' _.*- "

    _***P ;'-' V-, ' ''

    '- 5T* i-', ;*!** -

    1 "* HKMG

    nno SU Rio de Janeiro :- Quinta-feira, 23 te QiTjbro de 1913 f711

    HOJB

    TEMPO --- Um dia de ideal pri-

    Imaxima da temperatura oi de 24,6ninima de 17,0.

    ea Nju/Siial^:. Avenida Rio Branco

    r-yV p rBremA HmR| H|

    HOJE

    ;2?H.*$v.'-

    OS MERCR0S---O caf foi vendidoa 8$800 a arroba.

    O cambio esteve de 16 3j32 a 16 1[8

    ASSIGNATURASanno 2*f*>semestre 125o.';;;V-.'::vy;'*r'.;;';-:;.

    Est suffocado o movi-mento revolucionrio

    em PortugalCunha e Costa desappa

    receu

    o anniversario de umaesposa modelar

    Traos Interessantes de Mme.Ruy Barbosa

    Paiva Gouceiro e Homem Christo preparam o sextomovimento contra a Republica ?

    Sobre. o. movimento rcaccionario sufoca-do pelo governo portuguez, vo chegandopormendres, apesar da censura telegraphicaestabelecida.

    O Sr. Cunha e. Costa, que se dizia com-promettido no levante de Lisboa, e cuja pri-so.nos foi transmittila pelo telegrapho,no est preso,tendo desapparecido desde odia da subleva.

    O governo portuguez est vivamente em"penhado em apurar a culpabilidade dos de-tidos, tendo sido alguns delles interroga-dos pelas autoridades., A propsito do movimento /temos as se*guintes informaes:

    PARIS, 23 (Do correspondente) Te-legrammas.de Lisboa informam que foi pos-to em liberdade o conhecido pintor JorgeCollao, preso como cmplice no movimen-to. Collao provou que nada tinha com arevoluo, preparada e cujo malogrado j conhecido.

    Duas senhoras distinetas e outros indi-viduos foram presos, em Monte Estoril, co-mo implicados nos acontecimentos, assimcomo 34 policies, que foram pegados com asarmas na mo, e recolhidos ao Limoeiro.

    Muitas buscas e. apprehenses de armase documentos valiosos tm se dado, sendopreso em Abrantes o Dr. Henrique Martinsde Carvalho.

    PARIS, 23 (Do correspondente) Se-gundo telegrapham de Lisboa, o jornal O

    O que fez hoje o Sr.Roosevelt

    A visita ao InstitutoOswaldo Cruz

    fe'? Jr %*$% *-'::' S _"V

    OS CASOS RAROS as -

    Os Mthusalens do Rio

    Mme. Ruy BarbosaFaz annos hoje a Exma. Sra. D. Mn-

    O deputado Sr. Dr. Pedro lago

    Sr. deputado Pedro Lago, que inan-na Cmara uma attitude de opposio

    governo tmtito commcdida c criteriosa,d pequeno numero de congressistas que' iteressam pelas nossas questes finan-as. Os seus ltimos discursos, cm que\g.v. sc lem referido ao mo estado dc

    finanas, tm ficado sem resposta,mo porque nem Cmara, nem Senado,

    governo sc entendem bem sobre essempto, de que no ha, cm parte alguma,

    s positivos e claros,io representante haitiano pedimos a gen-fa de nos expor o resultado dos seus es-'Ti sobre a actual situaro financeira do

    e Si Ex. nos forneceu, a seguintebosta :

    A situao real do Thesouro agorapde ser determinada, especialmente

    )is que o ex-ministro Sr. Franciscoinaugurou uma nova politica finan-

    a, dc frma a no permittir fiscalisa-nem mesmo a do Tribunal de Contas.

    5a lembrar que servios, que deveriampagos com o prodcto de emisso de

    ilices da divida publica, o foram em di-firo, com o prodcto da receita ordina-

    e outros, sem dotao oramentaria, fo-custeados por conta das autorisaes

    ,quantia indeterminada.5 se pdc fazer clculos sobre a despe-votada pelo Congresso c sobre a rela-

    dos crditos registrados pelo TribunalContas, escapando apreciao os pa-mentos clandestinos, cfectiiads peloscessos occultos a que alludi. Assim,Siquer cifra que apuremos, pelos metho-s normaes de apreciao, fica , muitoliem da realidade insondavel dessa criseanceira em que sc debate o Thesouro.difficuldade veriicadora avultada ain-pelas oscillaes da arrecadao. Dizem

    _dados 'officiaes que a.estimativa da rc-ta foi ultrapassada na arrecadao do.meiro semestre. No c licito duvidar daluo assignalada, mas, adoptando-se

    ra esse augmento de renda' a porcenta-i verificada nos exerccios mais pujan-

    .., 5 ojo, vamos verificar que elle noimpcnsa a depresso sbita que soffrerami fontes dc renda, a comear pela dc im-fetos de importao, uo segundo seines-

    l^H_]__. aj!|j^MM^I>M"_IMMIllMIM]Mlliriranr-HT--'T-HTr/f

    -ia Augusta, digna esposa do senador Eu;Barbosa.

    Os sales do eminente poltico abrem-sepor esse motivo, em festiva recepo. Ele crer que a elles affluam os innumcro

    .-......, ~- .... , idmiradores que o distineto par possuc. EMundo, de que director o Sr. Frana! jfc; realmente Mme. Ruy Barbosa c um.Borges, publica despachos procedentes de Lenilora excepcional.

    E' curioso observar-se o papel importar;e que na vida agitada c buliosa do emiente chefe do Partido Liberal tem repreentado a distinetissima senhora que hoj

    faz annos. pp .', -.TContam os seus ntimos que Mme. M?

    ia Augusta tem na vida do senador um p;>el de excepcional valia. Cuidando da'su.tilde com um desvelo sem par, animando reconfortando a cada desgosto dc ordei-olitica, acompanhando os gestos dos quercain seu genial marido e observando-oo dc raro"" prezagiando desfalleciuicntilc amizade que boa f extrema de seliarido. causam surpresas, Mme. Maria .Aligusta-"'uma companheira de rarissiniasqualidades. .

    Todo o..mundo conhece as agitaes for-midaveis da vida do senador Ruy Barbosa.Nunca o abandonou aquella assistncia ca-rinhosa e constante de sua esposa. Exiladono' estrangeiro ou nelle desempenhandohonrosas commisses, nunca faltou parapartilhar dos pezares ou das homenagensdo eminente senador a companhia solicitadc sua consorte. Mme. Maria Augusta, to-tios se lembram, acompanhou seu maridoem toda excurso politica da memorvelcampanha eleitoral dc 1909, interessando-scvivamente por todos os transes dessa luta.

    De todos os acontecimentos politicosMme. Maria Augusta se faz logo conhece-dora, c os segue, os acompanha vivamente,conhecendo-os nas mesmas mincias queseu illustre marido.

    Nunca o ditoso par se separou c sempre> abrigou o mesmo tecto, por mais acciden-tada que fosse, no momento, a vida do illus-tre poltico.

    Uma senhora assim excepcional, c suasqualidades so por tal frma impressionai!*.cs nesse mister clc esposa dc um polticoircnial, que todas as homenagens que se lhevendam so perfeitamente merecidas eiustas.

    O almoo no Guanabara. A re-; cepono Club dos Diriose a soire de Mme. e Mlle.

    Roosevelt"Hoie,

    cedo, o Sr." Tlicoclore ' Roosevelt,

    depois de passar rapidamente os olhos pelos(jornaes dfo di,aie fc jrtfindcr a gaitas (pessoasque o procuraram, deixou, s 10 horas, opalcio Guanabara, com destino ao Insti-tuto Oswaldo Cruz, para visitai-o.

    Acompanharam S. Ex. nessa visita os Srs.Drs. Herculano de Freitas, ministro da Jus-tia, Carlos Seidl, director geral de SaudePublica, deputado federal Joo Penido, co-ronel Achilles Pederneiras e capito tenenteNobrega Moreira e o padre Dr. Zalim,que faz parte da comitiva do ex-presidentedos Estados Unidos da Amrica do Norte.

    Os automveis que conduziam os visitrui-tes chegaram a Manguinhos pouco deppfsdas 10 horas.

    Ahi aguardavam o Sr. Roosevelt o. Sr,Dr. Oswaldo Cruz e todos os seir auxi-Iiares. - .

    Por essa oceasio o ^r. ministro "Jo Inte-ror apresentou o nosso TIustre hospedeao Dr. Oswaldo Cruz.

    Minutos depois foi iniciada a visjta.O Sr. Roosevelt foi conduzido para o

    gabinete do Dr. Oswaldo Cruz que lhe foiapresentando os chefes dos diversos ser-vjos c. demais auxiliares. Foram depois per-

    Ura de 140 annos e outrode 114!

    - Quando aqui cheguei nem nem o pri-meiro imperador ainda linha

    chegado !

    ! - :-: :-::'*...:..'.-:. i--:-;.;;. Vr:.. ....

    :.;. r:,; . '

    /^:.;;,-!.:.W-..V-::--: .:;.*...:.:."- ,::::;"..r. . .. -" '

    ccPmcccccmmCimmmmmscCiM

    *

    " 'MPCp P ^:i8^Ifc; r V:"

    ^^k^0^ccc^^^^^0^c^^m&M^m^m^9:-;S#>^^^f5.>l) . -k.'W(l#'

    irWiliii^^*:K.p.f^*Mt.3SrSSi^^^|-&--C i

    O Sr. Roosevelt, cm companhia do Sr.Dr. Herculano de Freitas, ao partir

    pare Manguinhos

    Capito Paiva Coucciro.Chaves, c nos quaes se diz que os desterra-dos portuguezcs; residentes em Orcijse, ci-dade hespanhola da fronteira, se preparampara invadir Portugal, por Jcrez, em trescolumnas, sob o commando, rcspectivamcii-te, de Paiva Coucciro, Homem Christo ePortella.

    Accrescentam esses despachos que PaivaCoucciro chegou hontem fronteira hespa-nhola, fazendo juhco com o grupo armadodo padre Domingos, de Cabeceira do Basto.

    Commentando. as .informaes vindas deChaves, O Mundo diz parecerem invero-simeis essas noticias e que s foram vis-tos cincoenta conspiradores armados, nafronteira.

    PARIS, 23 (Do correspondente) Con-tinuain a chegar noticias de Portugal. Uma

    Como ve, temos poucos dados positivosara o nosso calculo. Sejamos optimistas;aamos obra exclusivamente sobre estes, -epu remos o estado das finanas do paiz emo de setembro.

    Despesa orada : 86.544:7-0?9II> ouro>'480.383:884888, papel. Divididas essaserbas globas cm duodecimos teremos,espectivamente, 7.2i2:o6o$o75, ouro, e...g.031:950$!09, papel, para o custeio doslervos pblicos, em parcellas mensaes,londe, em nove mezes, despesas correspon-lentes a 64.908:5408605, ouro, c 160.287:5508972, papel; juntem-se a essesotacs os nove duodecimos correspondentesios crditos abertos s verbas ouro c pa-jel e teremos para a primeira mais>.46712588223 e para a segunda mais$0.620:423834o. Grande total (despesa or-fada, crditos especiaes e extraordinrios):"375-798*?8-8- oliro c 39'97*974$3I2>PaPc*- . . ,

    Creio que este. systema nao pode ser re-cusado e no ha maior lealdade, nem maisptimismo que esse, de se considerar asverbas resistentes e distribudas proporo-nalmcnte pelas phases do exercicio.

    Procedendo pela mesma frma com asverbas da receita orada, 132.112:8848888,Ouro e 371.107 :ooo$ooo, papel, temos res-pectivamente 11.009 4078074, ouro 30.925:5838333, papel, para cada duodeci-ino, ou para os nove mezes decorridos,99.087-.6638666, ouro e 278.330:2498997,papel.

    Feito o confronto, apura-se : saldo emouro, 27.711:8648838; dficit, em papel,112.577:7248315* ,

    Convertido o saldo ein ouho de7.711:8648838 a papel ao cambio de 16 d.,

    teremos 46.763:7718919 a subtrair do defi-at, papel, donde resulta o dficit final de'65.813:9528396- . -

    Esse dficit tem origem nas autorisaesde despesa com importncias determinadas

    ,na prpria lei do oramento do exerccio.corrente, no estando nelle includas aindaras autorisaes sem determinao de quan-

    tias a despender, nem as que se relerem asaldos de crditos abertos em exerccios an-teriores.

    ,cr::^^Ps% x

    O estreitamento das relaeschileno-peruvianas

    LIMA, 23 (A. A.) Tem merecidogeraes applausos a aco que est desen-volvendo o Dr. Guilherme Billinglnirst,presidente da Republica, para_ estreitar asrelaes entre o Peru' c o Chile.

    O escndalo das penses naArgentina

    BUENOS AIRES, 23 (A. A.)' - ODr_ Lorenzo Anadn. ministro da Fazenda,apresentou ao Sr. Victorino de Ia Plaza,vice-presidente da Republica, o seu relato-rio acerca das penses ultimamente conce-didas pelo Congresso Nacional, cuja im-portancia total, bastante avultada, vem au-gmentar muito as despesas da Nao.

    Alm disso, o Dr. Anadn julga quemuitas das penses concedidas no se jus-tificam, por que vo beneficiar pessoas quea ellas no tm direito.

    Capito Homem Christo

    dellas nforma que os monarchisas collo-caram innumeras .bombas de dynamite nosrals da Estrada . de Ferro, prximo aBombarrol, no intuito de provocar a des-traio da ^nha, quando passasse qualquercomboio. , ., . ...

    Somente um desses cartuchos explodiu,no causando estragos aprecinveis. -

    PARIS, 23 (Do correspondente) - ropreso, cm Lisboa, o coronel Seabra de !.a-cerda, aceusado de haver tomado parte nomovimento revolucionrio, dcsmenlmdo-sc apriso de Cunha c Costa, que desappareceunessa oceasio, assim como a do capita-lista Carlos Scix.is.

    Por ordem do governo, foram suspensa?todas as medidas extraordinrias c de pre-cauo, que foram ordenadas s autoridadesdc

    "todo o territrio da Republica Portu-

    geza, pelo que se julga aqui estar com-pletamenle suffocado o movimento revoju-cionario e o governo senhor da situao.

    A legao de Portugal, nesta capital, re-cebeu o -seguinte telgramma:

    No houve morte alguma. Os eleineii-tos militares do cmplot eslo sem oom-mando c sem valor, quer pelo prestigio,quer mesmo peio numero.

    Todos os regimentos esto absolut.-imeii-te com o governo c com as instjtuie..Reina corolelp soctgo. .. Affonso Costa.

    M

    corridos cm visita - demorada -03 laborrtto-rios do isegund' pavimento.

    O Sr. Roosevelt viu ento os laboratriosde mycologia, do estudo da molstia deChagas, de physico-chimica, de .chimica e'tuberculose, de iistologia c anatomia pntho-lgica, dc reaces de imunidade, dc historianatural medica, de 'helmintologia, de pro-tzoTogi e do servio de diphteria.

    As salas -d desenho, distribuio dc s-ros, curso, bibliotheca, sala dc machinasdeposito dc cmatrial, officinas de encader-nao, officinas typogiaphicas. dormitrios dopessoal technico c o sub-solo, onde estoihstllados 03 frigorficos, foram percorridoscom interesse pelo eminente

    'homem de Es-tado.

    O Sr. Roosevelt tambem esteve no pa-vilho dos laboratrios para estudos dapeste c viu nas cocheiras 03 diversos ani-maes fornecedores dc soro.

    Ahi, o Sr. Dr. Oswaldo Cruz mostrou aoSr. Roosevelt um cavallo que j forneceusoro ao instituto no- valor de 400 .contos.

    Mas j s fazia tarde e o Sr. Rooseveltno podia se demorar mais. Era quasi meiodia quando S. Ex. deixou o Instituto deManguinhos, depois de felicitar, enthusias-ticamente,' o seu director, pela impressoque lhe causara a visita, e tudo quantovira c examinara.

    Regressando ao palcio Guanabara, foi-lheservido o almoo, em que tomaram parte osSrs. Drs. Herculano de Freitas, Carlos Seidl,ministro Barros Moreira, deputado federalJoo Penido, coronel Pederneiras, capito-tenente Nobrega Moreira, senhoritas BarrosMoreira, Cavalcanti e Nabuco e membros dafamilia Roosevelt.

    Aps o almoo houve animada palestra,.Cerca .dis 2 e imeia, o Sr. Roosevelt reco-

    lheu-sc aos seus aposentos, para repousar,o que fez at pouco depois das cinco ho-ras.

    A' tarde, S. Ex. foi ao Club1 dos Dirios,en cujos sales a colnia norte americanadeu uma brilhante recepo.

    A essa recepo, que foi multo concorrida-compareceram membros da politica, da di-ploir.acia, das letras, lia magistratura, 1 epre-sentantes do mundo official e as socic-dades carioca e norte americana.

    A' noite, haver um jantar intimo no pa-lacio Guanabara, tendo sido preparadas duasmesas, uma dc 30 e joluira de 8 talheres.

    Aps o jantar realisar-se- a recepo- nossa sociedade, dada por Mnje,. e Mlle. Roa-scvelt. 1

    O macrobio Manoel Joaquim FerreiraMas o senhor que idade tinha quan

    io^veiu de Portugal '.?Eu tinha ento 13 annos. Foi em 1812.Anno histrico, para a Europa e para

    i mundo!Historia do mundo ? Por causa de

    ,ue ? Por causa dos francezes ?O que .?!.! O senhor sabe disso ?Ora, ora, si sei! Elles foram corridosrle l, da minha terra...

    E qual e.a sua terra .?E' o Minho.Assim falava hoje, pela manh, com um

    rios redactores. dV Noite, o ultra seculrrManoel Joaquim Ferreira, na 14 enferma-ria da Santa Casa (servio clinico do pro-fessor Domingos de Ges).

    Esse Sr. Manoel Joaquim Ferreira contaa bagatclla dc 114 annos. O que mais c-acteristico nelle a cabea hyppocratica.

    E' tal. quar ^ cabea de Hippocrates. Omesift^peri^^a^ucstiia barba, os mesmosolhcsy- r.; ineSi^'^-^tt^--o'vncsmo nariz; E

    1 nessa adiantada idade de um sculo e 14annos, elle conserva a integridade dos senti-dos e o amor ao trabalho...

    Foi recolhido ao hospital com um epithe-lioma 110 lbio inferior.

    Nunca mais ficar bom, diziam ai-guns medicos. A operao em velho (aindamais aos 114 annos!) no d resultado. A's:|vezes no d resultado nem em novo...

    Jl questo da Galeria deCrystal

    3i .

    Os embaraos que a lei oppceao projecto do ConselhoDos tres distinetos engenheiros, ,que pro-

    jectam construir a i conhecida Galeria deCrystal, recebemos uma longa carta, quesentimos no poder reproduzir, cm- defezado seu projecto. ',

    J hontem dissemos que a,ida ba-je sympathica'em si, e as gravuras que pu-' blicamos melhor elucidaram ainda os nossoa

    leitores sobre ella. Dess'arte, o que . pro-curmos com major interesse na carta do-^Srs. engenheiros foi a defeza do seu proje-cto, |s obre o ponto de .viita legal.

    Afim de provar que. sria legitima a pns-isagem para os proponentes dos direitos e.. "'regalias estatudos peTs leis de desapro*.priaes, o que constitue o ponto capitalda, questo, os autores do projecto citam-as seguintes disposies dessas leis:

    Art. 5 A verificao dos casos deutilidade publica ter logar por acto ;doCongresso ou do presidente da Republicaquanto s obras de competncia da- Utijo,por ella executadas- u- por emprezarior ou!companhia, a quem fr incumbida a Vsuaexecuo. E por acto do Conselho'' otido prefeito do Districto Fcdearl em relaso s obras dc utilidade publica do Muni-icipio, por elle projectadas c executadas ad-.mihistraiivarnnte 011 por contracto) (De-icreto n. 353 de 1845, artigos 2 c 11 c lo c Decreto 1.021 de 26 de agosto de1903, art. 1).

    Art. 7 Os proprietrios dos predio-je terrenos sujeitos desapropriao npodero impedir que esses terrenos ou pre-dios sejam examinados ou percorridos penlos engenheiros encarregados do levantameiHto dos sobreditos planos e plantas. -r-O.-iemprezarios 011 companhias c seu? enge-inheiros podero recorrer s autoridades ad-.ministratiys ou policies no caso de rccusi.dos proprietrios; salvo a estes o direito daserem indemnizados do valor dc quaesquerbemei.orias que tenham sido destrudas oudamnicadas por esse; exames.

    Art. 17 1)3 emprezarios ou pompa-,nlias incumbidas da execuo das obra?.*nromovero as desapropriaes usando domesmos direitos dos procuradores da Re-1publica e Fazenda Municipal (Decreto 3531de 1S45, art. 34, Decreto 1.664 dc 1856.'art. 3o).. .

    De boa f os Srs. engenheiros laborara]em um equivoco,. E' evidente que o governo1

    federal ou a municipalidade pde transferir.a terceiros os idiiruitos consignados na leijmas tambem evidente que ?e trata clara-mente de obras que a Prefeitura executaadministrativamente ou contrata ron cmpre-zari03,..u.compa-iljiasi>.!sro no quer ('er quea Prefeitura possa dispor da qualquer rea;da cidade e outorgal-a a particulares parai,que estes a explorem em seu proveito, em-bora promovendo obras de melhoramento!ou aformoscamento. Semelhante interpreta-o da lei daria logar a uma completa in*.segurana para proprietrios, negociantes e.moradores e, de certo, creado o precedente!desafiaria os appetites dc quantos se pti-

    i dessem entregar a emprehendimentos dessa'1! natureza. Entre executar obras, de qi*eEntretanto o professor Ges o operou c j

    'coo.ita~a je;i, e eXecutar obras em proveitoficou admirado de ver a ferida cicatrizar;| particular cremos que nio- peqiitna a

    'm"por primeira inteno", como dizem os | ferena. !8cirurgies. j Os Srs. engenheiros attribtiem' uma parte.

    O velho est bom. E j hoje de manh j da guerra, que o seu projecto tem1 sonridojdizia ao nosso companheiro que "estava j a certo espirito de rotina, de que, alis pelomorto por se apanhar l fora para tratar nosso lado, parece que estamos bem isentos..

    Os grandes emprehendimentosna ArgentinaBUENOS AIRES, 23 (A. A.) O

    Dr. Carlos Meyer Pellegrini, ministro dasObras Publicas, que acaba dc regressar dasua excurso de estudos pelas provncias,declarou que apresentar ao Congresso Na-cional vrios projectos, entre outros, o daconstruco de uma estrada de ferro entreTucuman e Catamarca e do canal de Mojo-toro, na provncia dc Salta.

    Uma usina incendiadaLA PAZ, 23 (A. A.) A usina ele-

    ctrica de Potosi foi completamente destrui-da por um violento incndio. Faltam ou-tros pormenores.

    da vida".O senhor ainda trabalha ?E, ento ?... respondeu elle a rir,

    achando graa na pergunta.Mas, em que que o senhor trabalha .?Y endo. peixes..Onde ?Em Santo Aleixo.'Onde mqra ?

    ' Na estao da Piedade.!Tem familia ?Tenho. Minha mulher, creio que j

    norreu em Portugal. Tenho aqui dous fi-.hos j "velhos". Um delles,. o Hyppolito,tem uma barraquinha de vender frutas, novercado Novo. Minha neta j senhora deidade...

    Nunca saiu daqui ? 'Estive em Minas e fui cinco vezes a

    Portugal.Qual foi a sua primeira -namorada ?

    O velho.solta uma gargalhada gostosa ediz que no.se lembra.Tive muitas !... ,

    Mas do primeiro amor ningum se es-quece.Creio que foi, por. ahi assim, ha cousade uns cem annos... Tinha eu ento 13 an-nos e gostava de uma. menina minha visinha.Brasileira ?

    Portugueza. Com que idade casou ;? Casou com

    essa menina ?No. Eu roubei a mulher. Ella era fi-

    lha de um padre...O senhor fuma ?Agora tim pouco; mas nunca fumei

    nem bebi na minha vida.E' admirvel a memria desse homem, que

    ainda trabalha aos 114 annos.Disse que nunca esteve doente. Exami-

    nado na enfermaria, foi notado que os prin-cipaes rgos ainda esto intactos.

    Quantos annos viver ainda B''- TTml /mim rnm 14(1 anime VIU J

    Mas, comi o espirito dc rotina,! si fqoie esaelemento trabalha effectivamente contraio projecto em discusso, concorrem desta,vez, e qui infelizmente para a cidade, di-i'posies de leis que nio, podemi ser sophis**madas.

    te a resignao do martyr, emquanto os ho-mens lamentavam o rigor dos ministros da'rainha louca, que sacrificavam um homem,iapenas, e o mais humilde, dos muitos conspi-'radores de Villa Rica.

    Nunca mais sc apagou da minha me-!moria. "Nhonh", aquelle espectaeulo hor-:

    Um1 outro, com- 140 annos, vaejparar ao 14.o districto | q macrobio Evaristo

    SilvaBenedicto da'

    A' delegacia do 14o districto foi parar, . .,hoje, um preto velho, encontrado adoentado J rivcl a que me foi dado assistir

    e mu vezesna rua e que ali declarou ter nada menos de me arrependi, depois, de ter attcndido

    a mi-nha natural curiosidade, indo ao local da

    Brasil Ali! fi ca, coronel! A sua pre-sena d-me ao menos a illuso de liberdade...

    Os progressos do ensino emSanta GaharinaFLORIANPOLIS, 23 (A. A.) - No

    grupo escolar Victor Meirelles, de Itajahy,foi aberta ante-hontem a matricula dosalumnos. O professor Orestes Guimares,inspector geral do ensino, conta que a ma-triciila attinja dentro dc potwos dias amaisde trezentos alumnos.

    140 annos dc idade.Como era natural, a declarao do ma-

    crobio muito despertou a curiosidade de umnosso companheiro que l se achava e queentrou a interrogal-o sobre as cousas pas-.adas.

    Evaristo Benedicto da Silva, como sc cha-na o macrobio, nasceu cm 1773, em uma fa-^enda de Jos Bonifcio dc Andrada e Sil-va, de quem foi escravo, tendo casado com

    execuo.Quando se fez a independncia eu estava

    aqui, com meu senhor, o "patriartico"...O Patriarcha ?Sim, o Patriarcha. Nessa oceasio eu

    tinha grande importncia entre os escravose acompanhei todas as scenas que se desen-rolaram.

    Ainda me lembra da desolao cm (\nc.Pcrciiana" Anglica Maria da Conceio, 1 ficaram alguns soldados das tropas portu-Itie ainda viva e tambem nasceu na mesma cruezas, que embarcaram deixando aqui mu-fazeridaJ '

    '-**cr

  • m v *"* w*

    2'fiI!_a_____B__iia_K____g__B_____BUE

    Jl&,.

    :-r

    Sf.v; -

    pif; e novidades""""omiti

    publicados limitem vrios pensa-mentos do Sr. Theodore Roosevelt.

    Todos so interessantes; alguns, como -ieratra, outros como plilosophia. Na pu-blicac foi, porm, intercallado um que uma verdadeira carapua pira os polticosnacionaes. E' este:

    ' O ynimo na vida publica umamaldio* e quando um homem perdeua faculdade de se entliusiasmar pelaitistia melhor pra elle e para opa que abandone a vida publica.

    ?Quantos dos nossos homens pblicos, sifossem seguir o conselho do Sr. Roosevelt,teriam de abandonar a vida publica?

    Mas, infelizmente, pira ns, elles noi caem nessa. Si os nossos homens pblicosno so 'capazes de se entbusiasrriar pela

    justia, o* seu eutbusiasrt, ' o seu d?-

    irio pelos proventos materiaes que lhes de-l correm da vida publica so verdadeiramenteinsuperveis.

    '. ,*;.. r-V j;As maluqtiices do velho. Jonaihas, o fa-migerado tyrannete cio Amazonas.Um telegramm hoje publicado, dando no-

    ticia da promulgao da noVa Constituiodo Amazonas, diz que s compareceram' sesso vinte e tres congressistas, dos quaess dezoito votaram "t favor. V-se que anova Constituio no obteve nem a metadede votos do Congresso, que tem 39 mem-jbros 24 deputados e 15 senadores.

    Diz' esse telegramm. ainda que, durantea sesso da promulgao, em frente ao edi-ficiu do Congresso estiveram postados o

    , lib batalho de caadores "e o 19 grupo-";' de artilharia do Exercito. '

    .M-^Paia que essa demonstrao de fora?

    Que tinha a. fora federal com a promiil-gao da Constituio? Felizmente, toda afente j tem o iuizo formado sobre o miolonmlle do velho Jonathas, rara qtie sejapri ciso se perder tempo em commentar spei.3 disparates, s tolerados era um paizcomp o Brasil actual.

    O "Espagne" es nau-fragiode "Guarany"

    As conradices do comman-dante Talon

    A attitude da tripolao doEspague- }.

    A NO.T -'Quinta-feira,1 23 d Outubro de 1913j.miiiimwtwiratrm^

    Uma caria solire os servios

    .xf'jTt' dos casos mais srios a ser resol-(.&! p-elc Dr. Wenceslo Braz, si conseguir

    \ "ch^pfr presidncia da Republica, o dadirectoria da Central.

    O Sr. Dr. Frontin tem desenvolvido uma(actividade assombrosa para permanecer no"cargo,

    e no ha quem ignore qtie S. S. e*vm homem ue sabe querer.

    Os Srs. Bernardo c Sabino e . todos 3iputros politicos mineiros mais chegados aoSolitrio- de Itajub tm actualmente na Cen-trai tudo quanto querem1, e algumas cousasmais: carros reservados, para si, passes econcesses de kilometros para s seus ami-feos, e etc.,,. Os dois discursos que ultima-mamente foram pronunciados na Cmara, emdefesa do actual director da Central, no o-

    iram como algum os qualificou sangria empaude; elles visaram mostrar o prestigiode que o Sr. Frontin gosa.lslobre a politi-ta mineira, que elle tem cumulado de favores.te toda a espcie.

    Por outro lado, porem, os particulares, oscomrrertantes e os lavradores mineiro^ jIperderam a pacincia em supportar a admi-'nistrao do Dr. Frontin, que elles toleram

    jlaperias, com' a esperana de que ser total-mente impossvel ao futuro governo, qual-quer que clle seja, conserval-o no cargo.

    ;Na hora em que cohstasse em "Minas

    que o' Sr. Frontin continuaria a dirigir a Ccntr.il,laquella gente era capaz de perder a cabea.

    | O Sr. Wenceslo vae ficar, pois, entredois fogo^ terrveis; de um lado, os seus'.verdadeiros eleitores, os politicos, que quei-'maro todos os cartuchos para sustentar ohomern. que os. enriquece e os cumula delfavores; do outro, o povo, que ser capaz}'de se amotinar e manchar o comeo do

    (futuro quatrienn.o, caso se consumme o cri- rne de se tentar a continuao da adminis-trao Frontin.

    grandes acontecimentos que se desenrolarammo governo de SS. MM. D. Pedro I e D.: Pedro II, e 3. proclamao da Republica,j v Meu filho mais velho, o Augusto, morreucomo um heroe, na guerra do Paraguay,Jendo 46 annos de idade.

    Alm deste tive mais tres filhos: Victor,3a fallecido; Alfredo e Anglica, que ainda.esto vivos e fortes.

    No nos pde contar mais alguns epi-jodios interessantes do tempo da monarchia"?! Qual, "Nhonh". Si eu falasse, "vos-tmec" no sairia daqui at amanh e de-

    jipois... tenho tantas saudades do passado,Ma vida boa que levei depois da liberdadejque me concedeu Jos Bonifcio, que fico...verdadeiramente tripte quando me lembro.|:- E o pobre velho saiu, tendo uma lagrimaJn bailar-lhe nos olhos j amortecidos!...

    A defesa do cor.imaitdane do Espagneno tocante u" condueta que- teve ante acatastro.phe do Guarany no causou po-sitivameute a impresso que pretendeu deixar o seu autor, no espirito de todos aqucl-Ies que a leram nos jornaes cm qc oipublicada hontem. Ella foi traada sem ba-se, pde-se dizer, e esta fraquissima . empontos importantes, notam-se-fiie 'mis&esproposttaes.

    Para no irmos muito longe, basta quelembremos aqui o aviso que S. S. deu Policia Martima de Santos, depois de ierpresenciado o sinistro. O Sr. Ch". Tallondisse as autoridades desse porto, mais 011menos, que quando passava perto cia-Pontedo Norte da ilha de S. Sebastio avistoudois navios que se chocaram; que as luzesdo menor se apagaram primeiro e cm s^-guicja as do maior tambem. O telegrammvindo de Santos nesse dia sobre o assumptoe publicado pelos jornaes adiantava mais:que o commandante do Espagne, presumiaque ambos tivessem ido a pique a irwos poude soecorrer devido mo forte nevou-r c agifafo do mar, nas proximidadesda costa>.

    Agora, na defesa de hontem, o comman-dante francez disse que attribuiu o que viaem alto mar uma manobra bizarra, fei-ta, talvez pela nossa esquadra em exercciospor ali. Ha visivelmente ahi uma contra-dico que o Sr. Tallon no quiz explicarem sua defesa. Quem falou policia deSantos como S. S. no pde agora vir dizero que disse, com to flagrante iiicoherenciaEm Santos o commandante chegou a justifi-car a sua condueta diante do sinistro, di-zendo no ter podido prestar soecorros dc-vido neblina e ao forte mar que reinava,emquanto que aqui chegando, affirma que,si nao prestou taes soecorros, foi porqueattribuiu o movimento esquisito dos naviosa uma manobra bizarra da esquadra!

    O qtie dizem a bortfo do Es-pagne sobre a condueta do Sr.Tallon

    Em uma visita que fizemos ao Espagnesurto em nosso proto, pudemos ouvir af-guns dos seus tripolantes..Antes porm con-versamos com o immediato, estando ausen-te de "bordo o respectivo commandante Oimmediato guardou muita reserva sobre aattitude do Sr. Tallon na madrugada sinis-tra. Apenas disse-nos que o commandantedo Espagne tem sido muito incommodadocom aquelle facto. Ao perguntarmos-flic sihavia presenefado a catastrpfie, S. S. res-pwndeu que estava dormindo na oceasio

    Mas os tripolantes do Espagne, todosquasi em geral, aceusam o seu commandantepela frieza com que assistiu ao sinistro,cujas conseqncias j

    "todos lastimavam abordo, na mesma oceasio, tal a certeza

    que todos tinham daquillo que estavam ven-do. Disseram-nos que o Espagne passou uma milha e meia do focai em que se davao desastre. O mar estava mesmo agitadis-simo e so por isso o commandante franceznao quiz andar, mesmo to pouco, parasoecorrer os nufragos. O encontro do Cuia-rany com o Borfaorema foi percebido per-feitamcnte de bordo, apenas ignorando-seate ento os nomes dos vapores que sechocavam &. to pouca distanciaHouve gente de bordo que quiz estimularo commandante a ir. em.soecorro, .mas elleesaJv?;i,mPassiver a olharpclo 'culo o des/We sem 'tomar resoluo''alguma'."0'' " "

    E assim, calmamente, seguiu sem remor-sos, chegando a Santos tinde communicouo que vira.

    Os empregados de bordo mostravam-semesmo irritados contra o commandante Tal-lon Um delles, no meio da conversa, dissea toclos que por fe,|i Cstavam comnosco:Olha, o que deveriam ter feito; e com oque eu mesmo, embora tambem' fosse vi-etimado, ficaria muito satisfeito, era bom-bardearem este navio, pondo-o a pique tam-bem em alto mar, para ensinar este bandidodo commandante!

    e

    Num dos desastres da Unha atidica da Serra houve ummorto e vrios feridos

    ' A LOTERIA FEDERAL faz depois

    : (Tamanha 25 a extraco de Uma loteriacom importante plano, cujo prmio maior de loo:oooi-?ooo.

    | RIGORES DO FRIO...No se deve o publico deixar embahir por

    jttste tempo de rosas, que est felicitandoos habitantes da invicita cidade de SoSebastio do Rio de Janeiro.Depois da .canicula que se fez sentir.csapiedadamc-nte nos primeiros dias do meza 'mudana sbita da temperatura, acompn-pilada muno embora de um sol radiante e-de uma bnza cariciante, tem' de ter seueffeito sobre os organismos que no, dis-ponham de uma robustez modelar

    A humidade das noites, o frio constante;A' tarde recebemos a seguinte q,,,. "Sr. redactor. No dia i.< j0ministro da Viao enviou ao da S1 aviso n. 3.750, contendo certifol

    uitas dc empreitadas da Estrada 1.'itral do Brasil, no valor de __.8q.Isto representa justamente .."' .';'C*-os qu' tm para com o conimer

    raa o.s empreiteiros, comprorijii&mentes, a praso fixo, e no emtantoolnistro da Fazenda reteni no $,.;, _'aquelle aviso, sem o "nnjpra-se'' e lflecir lira s momento qut com c^t'C, S. Ex. pde'levar, e eertamente\,.''-''fjfallencia mais de urn empreiteiro' " V,O capital no elstico, e i-ad.-i c..ro no obrigado a ter nem umnem um credito to grandes que.';-,.';perar ou possam esperai- inlefii)que o governo solva as suas crise; ,!'gar o que^ devido'por trabalhos cxcmJ

    O que mais absurdo em tudo ii,evi(encia"c','s'XM >,iS"tPpnsoes vitalcias de 100? e lo? mediante opagamento mensal de of e 2.5oo, por toe i5

    _guocursa[---Rua da Alfndega 42,1; andar

    Bolicmia, cerveja apperiti va

    cm

    Dr. Sylvio Moniz receita PEPTOL.

    li^lr de Xoolr,-0rande Depurativo"______^ do Sangue

    A crise ministerial chilena pa-rece resolvidaSANTIAGO 2? (A-A:)^parece quea cr.se ministerial ficar resolvida, reti-.rando os ministros a renuncia que anre-.sentaram ao presidente da- Republica, dasrespectivas pastas. '

    UiOTES CALADOPreos vantajosos

    BRAHMAA rainha, af amada cerveja

    mm globo Chocolate, bonbons

    A Installao de um novo mu-nicfijriFLORIANPOLIS, 23 (A. A.) - Comgrande soiemnidade realisou-se rio dia 201

    io rff 8 in3ta,Ia^o, do novo munici-pio de Oricanes, assumnd o careo dc su-penntendente do mesmo! o Sr. Josf lomaz

    W.r Ue l'o9urt_mIpara molstias daPelle.

    A Academia Nacional de Medicina receb-noje, como membro honorrio, o conhecidocirurgio Dr. Jos de Mendona, que vaeser saudado pelo Dr. Olympio^ da Foi se-ca, secretario geral da. Academia., A sesso, presidida pelo Dr. Miguel Cou-to reahsa-se no Syllogeu Brasileiro, sen-ttofranca a entnyfa, e em traje simules.

    Todo o tempo 6 tempo jfara rt rarafio d ouali, quer falta S, ainda no pensasfesto bem estar da>ossa famia, sede scio quanto antesd" A POPULAR,

    nverlida Rio Branco 90, sobr.

    Doenas dos olhos, ouvidos, nariz e gargantaDR. LEAL JUNTOR

    Co- rlla da Rsetiibln, de 1 i apresentando a

    e tigatciobi

    ]pa:rasCO!de

    toirl

    .

    '

    yequcd

    Srdoc

  • ra.V5__

    A NOITE -uinta-feira, ''3 de Outubro de Il3^BB__aa__BMMMaigig^g! .ro^ .*'"''"""'-__-.''""^'wn-W____-_._-__a

    3

    ULjiMO^ TE-EfrKflM'

    VxTERol_.t $EV CP'__ _lr-rHiC_rtr--.Rl__

    forno da nos*sa pavorosaise financeira

    amosa rewns.uc.o do Arsenal de

    Marinha

    pos imprtahterssumptosaados pela Commisso de

    Finanas do Senadoprimeira matria a ser

    hoje discutidaK- " - ;, .;.inrns do Senado fo;;ommissao de finanas o. - ,

    .edido do governo para a,Mua d

    -rdito de Co contos de reis, atim cie

    r despesas com estudos prehmin.a-uma estrada de ferro de Piquete

    a

    .cabo de uma interminvel troca de

    |,c de hesitaes, foi victonosoo pare-

    favorvel do relator Sr. Francisco Sa,

    leve a seu favor os Srs. Tavares de

    Siecsmmulo Gonalves e Joo Luiz

    . assisnando vencidos os Srs I.eopol-

    jlhcs" Feliciano Penna c Victorino

    fcosito, o Sr. Leopoldo de Bulhes

    [{.oportunidade de fazer ver que esta-

    em franca bancarota, trocando-se ain-

    lis gracejos muito interessantes em tor-

    | pessoa do Sr. marechal Hermes, quezia ter talvez noes vagas dc uma pa-

    ja' crise financeira, talvez na China,

    fe no Japo. . .

    5'fro assumpto muito debatido na re-b e que deu tambem ensejo a varias re-ncias, no s crise financeira como lespudor e de sem-cerimonias com queasta m negociatas o dinheiro do povo.uma propsio da Cmara, autorisandebertura do credito de . 91. col.tos c,e

    supplementar verba de 600 contos,a reconstruco do Arsenal de Ma-

    11l proposio j vinha da Cmara com'

    emenda victoriosa do deputado Caloge-subtraindo da importncia acima _o'(

    Lntos contos, quc seriam destinados a pa-hento s da commisso fiscal junto So de Entrcpriscs, que a contratante dass cm questo,[oi relator o Sr. Jo Luiz Alves,

    cujoecer, de accordo com a emenda Caloge-

    c assignado pr todos. os membros da.misso, atitorisa a abertura do credito1.656 contos.

    preciso notar-se que esses 1.656 con-foram gastos em obras que haviam sido

    adas em 600 contos, com incluso dosicimentos da commisso fiscal, para .

    se pediam apenas duzentos e tantostosibi ainda muito discutido um parecer do

    | Joo Luiz, de accordo com a mensagemgoverno, relativo a uma emenda do Sr.'onel Salgado, tornada projecto em sepa-o. con.siflerando.de embarque, para .pro-o na.Marinha e no Exercito, certo tem-.decorrido entre' dous decretos.

    Sr. Joo Luiz foi, porm, vencido, de-ido ser' assignado parecer contrario.

    imediatamente- foi votado pela commis-o parecer do Sr. Urbano Santos, favo-l abertura, pelo Ministrio do Exte-

    r, do credito clc 200 contos, ouro, para. ,-. o Vi. v'..!>_ ".inflas rlfi CUSto".

    vo ca o panocono sul

    VARIAS FAMLIAS DIZIMADAS

    Honrai despovoa-sePORTO ALEGRE, 23 (A. A.) - Na es:

    tao dc Basilio, da linha frrea de Bagea Pelotas, est grassando de modo assusta-dor a peste bubnica, que j tem feitogrande numero de victimas.

    O foco principal da epidemia est Iocali-sado no armazm da empresa construetorada estrada de ferro de Basilio a Jaguaro,c por esse motivo j os trabalhadores daestrada o quizeram incendiar, sendo impe-didos pela policia de levar a effeito essepropsito.

    Respondendo ao pedido tle soecorros quelhe dirigiu o intendente de Herval, o pre-sidente cio Estado, Dr. Borges de Medeiros,tomou varias providencias.

    Alguns trabalhadores da Estrada, ataca-dos de peste, foram recolhidos aos bospitaesde Pelotas, cujo intendente} no sentido deevitar a propagao do mal,' estabeleceu umcordo sanitrio entre Pelotas c Herval.

    Uma familia inteira foi victimada pela pes-te e muitas outras vo sendo dizimadas pelomesmo mal.

    Muitas pessoas abandonam os seus laresc a prpria empresa construetora da cs-trada de ferro, mudou os seus escriptoriospara Piratiny.

    Numa casa s, deram-se dez casos domal, que sc suppe ter sido trazido por umerrupo de trinta trabalhadores, vindo de San-ta F, provncia da Republica Argentina,onde recentemente a peste bubnica fez x-fraordinario numero cie victimas.

    Ate dois burros que comeram milho for-necido pelos armazns da empresa, da es-trada de ferro, morreram pouco depois cmBasilio. .

    Telegrammas do Herval, referem que o lardo Sr.' Prudencio Lemos foi completamentedevastado, morrendo todos os. membros da-quella familia, que foram enterrados devidoao espirito de caridade dc um visinho, aede nome Geraldo Vietoria, vindo por fima fallecer tambem este, cm casa de outrosenfermos.

    As populaes dos municpios emigram es-pavoridas.

    Consta que a peste bubnica ja se -mani-

    festou em Jaguaro.

    O Sr. Roosevelt Campanha eleitoralmunicipalAs festas de amanh

    O AIMOO* NA TMUCAAmanh o grande estadista norte ameji-

    cano ser homenageado pelas commissesde diplomacia das duas casas do CongressoNacional com o passeipt e o almoo que lheofferecem.

    A partida est marcada para s 3 Tio-ras da manh, do palcio Guanabara.

    Aps o almoo, c-s excursionistas faroa volta em automveis, pela Gvea, afimde tomarem parte na festa que o

    'Sr. LauroMuller offerece ao Sr. Roosevelt, no Jar-dim Botnico.

    O garden Party do nosso chan-celler

    O Sr. Theodore Roosevelt vae ter ama-nh opportunidade de assistir a uma encan-taclora festa.

    E' o garden-party offerecido a S. Ex.pelo Sr. Dr. Lauro Muller, ministra dasRelaes Exteriores.

    Para o brilhantismo dessa festa o Sr.Lauro Muller convidou a nossa primeirasociedade, o corpo diplomtico nacional eestrangeiro, altas patentes do exercito eda armada e o mundo official.

    O garden-party, que se revistir da ma-xima distineo e elegncia, ter logar noJardim Botnico que para esse fim j estsendo convenientemente preparado.

    A' noite. o Sr. Roosevelt serrecebido no Instituto Histrico

    E' amanh, noite, que o Instituto Hlsto-rico e Geographico Brasileiro vae recebero Sr. Theodore Roosevelt, a quem sercii-treguc o diploma de scio honorrio.

    A sesso solemne realisa-se as 9 horase ter logar no novo edificio do instituto, rua 'Augusto Severo, .no Syllogo Brasi-leiro.

    O traje d rigor.A directoria do Instituto Histrico pede-

    nos a publicao do seguinte:A directoria do Instituto Histoirico e Geo-

    graphico Brasileiro pede Com o maior cm-penho a todos os senhores convidados paraa sesso de posse do Sr. Theodoro Roose-velt, que amanh se realisa no edificio

    "do

    mesmo instituto (Syllogo Brasileiro), s9 horas da noite, que apresentem entradaas sobrecartas com o carin.. o do instituto,afim de ser convenientemente fiscalisado oingresso.

    comido dos candidatos doPartido Republicano Liberal

    Um nraaramma vaata etil

    Con. a assistncia dc cerca de mil pes-soas, realisou-sc hoje tarde o comciocdnvocactj. elos candidatos, doi Partido Li-berai, aos cargos de intendentes municipaes,no pleito a ferir-se a 26 prximo.

    O primeiro orador a usar da palavra,foi o Dr. Caio Monteiro dc Barros que, de-pois dc invocar a figura magnfica do se-nador Ruy Barbosa, entrou no assumpto. daconvocao.

    Em breves palavras, como convinha si-tuao, pintou o quadro da vida brasileiraactual, onde s predomina a mentira elei-toral c a violncia.

    Depois, esboando o programma do Par-tido Liberal, disse que os seus companhei-ros, se forem eleitos, cumpriro com o. seudever, legislando sobre a regulamentaocio operariado em geral; sobre o trabalhodas creanas e das mulheres, cspecialmen-te nos .perodos da gravidez, e do alcita-mento, nas fabricas; sobre a construeco deverdadeiras villas operrias, como est fa-zendo a edilidade de Buenos Aires; regula-mntantto, emfim, o trabalho de todos, poisno possivel aturar-se por mais tempo,a anarchia de que se aproveitam os felizespara escravisar o brao do trabalhador.

    Em seguida foi dada a palavra ao candidatoEvaristo de Moraes.

    Depois do Sr. Evaristo de Moraes, fala-ram os Srs. Dr. Mauricio de Medeiros, Sr.lAfnaznas, e o Dr. Caio Monteiro de Barros,que encerrou o comcio eleitorel, dispersai!-do 03 populares na melhor ordem. Eram seishoras da tarde.

    Uma catastrophe mineira nosEstados Unidos

    PARIS, 23 (Do correspondente) Tele-grammas recebidos por Le Matin infor-mam que se deu'uma grande exploso degrisu' nas minas carboniferas de Davson,nos Estados Unidos.

    Cento c cinco enta mineiros que trabalha-vam nas galerias esto emparedados, l-vrando nos poos grande incndio.

    Ha pouca esperana de salvar 03 mineiros

    emparedados.

    A remodelao da Ma-\ rinha soffre impugna-

    0 chefe e Policia ame-?

    Masppocuram-n'0 na Saude...Corria hoje na Central de Policia que tres

    indivduos andavam por esta cidade esperade uma oceasio propicia para um- attentadocontra o Dr. Edwiges dc Queiroz, chefe depolicia.

    Este boato, por mais extravagante que pa-*-a, no deixou de impressionar a chefa-tura de policia, tendo saido alguns agentesdo Corpo de Segurana em diligencias pelobairro da .Saude, onde constava acharem-se tarde;-O, ".indivduos suspeitos.

    O MOMENTO POLTICO

    O Sr. Pinheiro con-ferencia

    WBm

    Argentina vae ter paredegeral

    SUEMOS AIRES, 23 (A. A.) A Federa- Operaria est pre]rando parede ge-?de todos os seus associados, que devera

    declarada cm dia qe ainda no foiierminado. ,

    dposlo de uma im-tendncia nas*5^1*8 ?

    .:__

    eco

    que nosSr- Mario Hermes.obre a nota publicada' hoje, acerca de

    jpsi.o de uma intc_dcMci_.no Estacio daia a de Barra do Rio dc Contas

    % Mario Hermes, Ieader da bancadaiana, autorisou-nos a declarar que no'.visos.de

    fundamento' aquella nota.

    fO que se deu disse-nos S. Ex.

    ' que o Conselho Municipal daquella lo-

    lidade, por unanimidade de votos, e derdoicom-.a lei, suspendeu o intendente

    exercido de suas funees, por motivono ter o referido intendente prestado,prazo ilegal, as contas, que a lei exige,administrao municipal, assumindo a

    Itendencia o presidente do Conselho, sembnhuma interveno do governo e muitoienos da policia do Estado.Onde ,portanto, a

    "deposio' ?-Quanto ao confiieto oue houve na mes-

    [a.cidade, "no teve elle relao nenhuma

    om o caso municipal. O.destacamento deolicia, indo prender criminosos, foi porlies recebido a bala, travando-se um tiro-eio, do qual resultou a morte de dous doshmiriosos e de dous inspectores de po-cia." ."Os-nossos adversrios na Bahia

    pneluiu S. Ex. no tm, nem ho deer justo motivo para nenhuma reclamaoontra o governo do Estado, que ha dc fa-:cr serem respeitados os direitos e as li-ierdades de todos os cidados, quaesquer|ue sejam as suas cores polticas."

    O Sr. Anlonio Nogueira d parecerconliario ao projeclo do Senado

    Reuniu-se hoje a commisso de marinha eguerra, da Cmara.

    O Sr. Antnio. Nogueira apresentou pa-recer contrario ao projecto approvado noSenado, autorisando a remodelar novamen-te a administrao da Marinha.

    S. Ex. tratou das adminstraes navaesda America do Norte e da Frana, espe-cialmente.

    Citou a exposio de motivos apresen-tada pelo Sr. Pierre Boudin ao Sr. Poin-carr e o decreto por este assignado, so-bre o Conselho do Almirantado francez,muito semelhante ao nosso que se quer ex-tingur. ,.,

    Terminou O relator pensa que estaem ba companhia, accentuando o que emquesto de marinha resolve a Frana, onde,de preferencia, os nossos odiciaes, melhoraperfeioam o seu estudo, mais conheci-mentos' technicos adquirem, quando na Eu-ropa fazem, com proveito prprio e paraa Ptria, estaes de pouca ou muita du-rao.

    F' imprescindvel, porm, que a Cmarasaiba, e esta declarao, fal-a o relator comverdadeira magua, que o projecto do Sen.idoemodela reparties, cuida da burocraciada Marinha, mas no cogita de arsenal, .un*dado em porto mitarmente defendido, cmsorteio, nico meio de resolver o problemado pessoal.

    A Cmara, j agora orientada pelos pa-receres dos Srs. Vespucio de Abreu e Sou-_a c Sftlva, e pelo voto do Senado, delibe-rara como julgar mais conveniente.

    Desse parecer, pediu e obteve vista o Sr.Vespucio de Abreu.

    O Sr. Augusto do Amaral apresentou pa-recer conlrario ao requcr'mcnlo do sa'gento-quartel mestre Cincinato Marcellino Be-zerra.

    Voltam a faits zo-nas franas

    Na commisso de obras publicas daCmara

    A commisso de Obras Publicas da Ca-mara tambm se reuniu hoje, presidida peloSr. Aurlio Airiorim.

    O Sr. Alor Prata apresentou parecercontrario ao requerimento pedindo conces-so para uma estrada de ferro de Pajehu' deFlores, em Pernambuco, a Santa Maria, emGoyaz, e estabelecendo zonas francas nosportos de Belm, Pernambuco, Rio de Janei-tio e Porto das Torres. ' iEste ultimo foi a imprimir para es-tudor -'" '

    O SENADOPresidncia do S . Pinheiro Machado.No expediente foi lido um requerimento

    da Loja Maonica Sete de Setembro, de S.PaulOj pedindo um auxilio para o custeio dedez escolas publicas que mantm com umafreqncia de 709 alumnos. ,

    A ordem- do dia, cuja matria careceu deimportncia, foi toda votada.

    O candidato pinheirista sue-cesso fluminense

    O Sr. Seabra em perigaDepois da sesso do Senado, mantive-

    ram. s em longa e reservada confernciano recinto dessa casa parlamentar os Srs.Pinheiro Machado, Urbano Santos e Ber-nardo Monteiro.

    Gomo se; sabe;- no-obstante o:.trabalhoostensivo icitcP ntss -sentido';-' -'- gente do'Sr 'P^^^^^^rrpiStSr^!i^^^^ 'candidato presidncia do' Estado Flumi-nense o tenente. Feliciano Sodr.

    E' que, porm, entre ella mesma, haquem se opponha a essa indicao, haven-do quem, a& sw te.-eW

    \ ataA. commisso especial da Assembla Flu-

    minensc apresentou hoje o seu parecer so-bre a crise da.industria, relativa aos respe-ctivos impostos. . .

    Conclue ella por um projecto autorisandogoverno a rever a legislao da exporta-

    o c importao, bem como as pautas, de-

    vendo reduzil-as ou supprimil-as, submet-tendo depois approvao do Poder Legis-

    ativo.

    Ao que parece e oxal que nos enga-nemos a Bahia, dentro destes tres me-zes, soffrer m grande remexido.

    No ha muitos dias, o Sr. senador con-selheiro Luiz Vianna aconselhava a umasenhora de suas relaes que no mandassej seus dous filhos para a capital daquelleEstado no Norte. E S. Ex. acrescentavaque sabia o que queria dizer, que ella es-nerasse para daqui a mais uns tres mezes.

    Hontem, um de nossos companheiros 011-viu o Sr. Mcnna Barreto dizer a um ami-.0, meio deputado pela Bahia, meio pelo

    Rio de Janeiro, que exhortar o generalSotero a requerer reforma e ir para a Ba-hia, onde elle ter brevemente o que fazer.

    ) marechal apresentar como principal ar--itmento para que o general Sotero atten-desse a seu conselho o facto de a compul-soria o attingir dentro de oito mezes.

    Para concluir : no naturalmente ta que o senador Raymundo de Mirandarecommenda tanto ao coronel Silva Pedra :

    No, homem, fique quieto; no con-vem espantar a caa...

    Despcaho ColIecHvoMINISTRIO DA GUERRA

    Reformando, a pedido, o general de bri-gada Jos Sotero de Menezes.

    Promovendo:A general de brigada o coronel Lino de

    Oliveira Ramos; a capito, por estudos, osprimeiros tenentes Moyss Alves da Silva cNarciso Jos Monteiro"; a primeiro tenente,por estudes, os segundos tenentes Joo Gue-des da Fontoura e Frederico Scrates; asegundo tenente, o- aspirante Agrcola da Ca-mara Bethlcm.'Transferindo,

    na arma de infantaria:Os capites Amrico dc Abreu, Lima, da

    terceira companhia do 12 batalho do quartoregimento para a terceira do 58 dc caado-res; Carlos dc Barros Barreto, de ajudantedo 16 da sexta, para a segunda compa-nhia do mesmo batalho; ZeferiiioGraciltanoPenalbcr, da segunda companhia do l"batalho ,para ajudante do mesmo; Joo Vei-Ios Ramos, da terceira do 3I do 12 paraa segunda do 29 do 10"; Manoel Ferreiradoi Bomfim c Silva, da primeira companhiado 46 de caadores, para a primeira do 15do 5o e Juo Gonalves de Azevedo, destacompanhia e batalho para a terceira do

    34 do 12, sendo o capito Genesio Fernan-des da Silva, classificado na primera do 40dc caadores; 2 tenente Frankiia EmlioRodrigues, da arma de cavallaria para a dcinfantaria; 1 tenente Jorgelino Bcne.enutoda Silva Prego, do 5 regimento dc cavallariapara a segunda classe.

    Incluindo, no quadro ordinrio da arma deinfantaria ,03 segundos tenentes Marino Mes-quita da Costa e Othelo Rodrigues Franco.

    Aggrcgando ao respectivo quadro o capi-to, de infantaria Joaquim Olivcra FerreiraSobrinho, otte ficar nesta situao sem- ven-ecr antigidade at que lhe toque legalmcn-te a promoo, visto se ter verificado que oelogio que originou as suas promoes foicollcctivo e jijjj- individual a 1 tenente em 24de junho e a cpitio e_-.f 1 de julho de 1910,

    MINISTRIO DA MARINHAPromovendo: > No Corno da Armada: IA capito de corveta, o graduado Peri-

    cies de Almeida Mello; a capites tenentes,o graduado Benicio Moutinho da Cunhae o 1 tenente Adalberto Landim; a primei-ros tenentes, o graduado Rliadamanto doCampo y Amoedb e o 2o tenente OlympioCsar Ramon. ,

    No Corpo de Saude: 'A capito tenente, o graduado, medico,

    Dr. Eduardo Leite Velloso.Na Directoria Geral de Contabilidade da

    Marinha:A 1 official o 2 Odorico Carneiro Ri-

    beiro;a 2 official o 3 Leopoldo. Augusto de

    Oliveira Guimares;a 3o official, o 4o Antnio de Oliveira

    Dias. |",'-|Graduando: |No Corpo da Armada:A capito de mar e 'guerra, o de fragata

    Alberico Floresta de Miranda; a capito defragata, o de corveta Antnio Nogueira;

    Promovendo no Corpo da Armada: a ca-pito dc corveta o, capito-tenente MartinsGuimares";'1

    ' f;.

    '" '] ;.;;, .(.nmeandaprim-irO-tenente medico do-Cor:

    p de Saude,..o Dr; Antnio Lemos Filho!em capito de corveta, o capito tenen-

    te Antnio Muniz Barreto de Arago;em capito tenente, o lo tenente Altrcdo

    Bernard Colnia; ecm 1" tenente, o 2" Joo Duarte. ?_No Corpo de Saude:cm capito tenente medico, o lo tenente

    Dr. Rufino Antunes de Alencar Junior;'Exonerando:o capito de fragata Horacio Coelho Lo-

    pes do cargo tie commandante do scoutBahia; c

    o capito de fragata Alfredo Cordovil Pe-Ut do cargo de commandante do scout;>Rio. Grande do .Sul.

    Reformando, a pedido, o capito gradua-do commissario Jos Procopio Pereira Fi-lho; / .

    Aposentando:os 1 pharolcirou Emilio Gcrcino Barbo-

    sa, do pharol de Santo Agostinho, Estadode Pernambuco, c Belisario Augusto de S,do pharol de Mustarda, 110 Estado do RioGrande do Sul:

    Concedendo medalhas militares de ouro,prata c bronze a vrios officiaes e infe-riores. .MINISTRIO D/1 FAZENDA

    Autorisando o funecionamento das seguin-tes sociedades de pecuio por mtitualidade, eapprovando con. alteraes os seus estatu-tos:

    A 'Fraternal, com sede em Minas Geraes;A Equatorial, na capital do Estado do Pa-r; A Econmica, com sede nesta capital,A Fraternidade Pernambucana, com sedena capital de Pernambuco; approvando, romalteraes __. novos estatutos da CompaiuiiaBrasileira de Seguros, com sede em 3. Pau-lo ,de accordo com as resolues tomadasem assembla. geral extraordinria de 2

    ',rabril findo.MINISTRIO DA AGRICULTURA

    OS GRANDES ABUSOS>v

    Os automveis officiaessero reduzidos ?

    -w-re-Vo, pelo menos, ser

    gistrados . -.Ao que parece, no foi: em pura nerdal I

    que expuzemos a serie enorme de abusouque se verificam com -os automveis ofi.ciaes, quer quanto ao seu numero, gran.demente excessivo, quer quanto sua faltaide registro na repartio competente.

    Ouvimos que o Sr. ministro da Fazendai'aventou ha dias a ida de serem reduzidos)'os automveis officiaes, ficando o palacic.,do Cattete com dous e cada um dos minis-* >terios com '_m. Si. em todo o caso, no.fr tomada essa medida radical, pelo me.'nos os carros do governo no continuaro)a ter a situao privilegiada que gsvvimipois os Srs. presidente da Republica, minis|tros do Exterior, Agricultura e .Viao or'denaram que os automveis do palcio 9desses ministrios, assim como os conductoires respectivos, fossem registrados na Inapectoria de Vehiculos. - :

    Niio muito, mas j alguma cousa'. '

    Gerar; e 'Manoel Narciso Machado, comtnuqda Administra,o de Santa Catharina. |)

    Na Repartio Gerai dos Telegraphos: \Manoel Pio Amado, inspector de quarta'

    classe; e Claudomiro Rodrigues de Olivei-i;ra, guarda fio dc segunda classe. .

    Nomeando o bacharel Marinho' de SouzaiLobo para o logar de administrador dos Coireios dc Santa Catharina. . - - fMINISTRIO DO EXTERIOR f*'I ^.

    Publicando a denuncia da conveno deextradico de criminosos assignada no RioTde Janeiro, em 21 de dezembro de 1S95, entru.o Brasil _ a Inglaterra.

    Choque de vehiculosO auto n. 541 descia hoje a rua das La-.

    ranjeiras, tendo por passageiro o Sr.. Ko-nyn Daviol. ''.

    Ao chegar esquina da rua Guanabara,como se approximasse o auto-avenida n..(96, que ia fazer a curva para aquella rua,tornando-se imminente um desastre, mandou'o fiscal de vehiculos n. 56, ali de servio,que ambos parassem, sendo obedecido. ,

    Tendo ordem de seguir, principiou o auto:96 a fazer a curva, no se apercebendo o"chauffeur" do 541 do pouco espao que.havia, para essa manobra, entre os dous ve-hiculos.

    Resultou disso dar o 696 com a parte tra--eira no 541, que ficou avariado, no tendohavido desastre pessoal.

    Levado o facto ao conhecimento do com-missario de servio no 6 districto, resolveuessa autoridade mandar os dos "chaivf-'feurs" em paz, c isto por no se tratar dejfacto da alada policial. .

    De facto, tratando-se de simples damnomaterial, sem que tivesse havido infracOilor parte de qualquer dos "chauffeurs", no..dia ser outra a providencia tomd'.{Jela"'policia'.'

    Mais tarde esteve na redaco dj/f:.Voite o Sr. Ernesto Ferreira, proprietfrio'do auto avariado, que ns veio relatar, es-[tranhando-as, as providencias tomadas pelai.olicia do 6 districto. J

    Segundo apurmos, porm, as provi .en-jcias no podiam ser outras, restando ao Sr.;Ferreira o recurso da indemnisao, que 6-'_ alada indiciaria.

    Distrahindo-sc esta tarde, quando cortavapapel numa machina accionada a electrici-,dade, ficou com a mo esquerda decepada o'operrio Euclydes da Silva, de 19 annos,.de idade, residente rua de S. Clementen. 124.

    A Assistncia foi buscal-o na officina,onde se deu o desastre, rua S. Jos ri. 58.j

    COMMUNICADOSESPARTILHOSj

    Os preferidos y

    O prefeito enviou hoje uma mensagemao Conselho Municipal pedindo uma altera-o de vencimentos na proposta oramenti-ria, com relao ao director addido da Es-cola Normal.

    O general Sotero reforma-se

    S. Ex. vae para a Bahia

    Aluga-se um excellente quarto mobilia-ido, com luz electrica, s a cavalheiro do,'commei-io, na Avenida Henrique Valla-ldares n. 29, continuao da rua da Rct.lao. ,

    CHAPELARIA'.t

    Preos som

    de

    Ca

    Nomeao de mdicos noExercito

    Foram mandados servir na primeira bate-ria de Obtr/.eiros, em substituio ao me-dico adjuneto Francisco Bollagamba, o 1tenente medico Dr. Armando de Lima Mei-rclles, passando !_ servir 110 posto medicoda sexta diviso, o supra-mencionado ad-juneto, que substituir o adiuneto ODr. Ar;thur Ernesto Pereira dc Souza, que passaraa ter exerccio na Policlinica Militar, naseco dc gynccologa.

    Os vagabundos do bairroda Misericrdia

    Um commissario desacatado eum guarda civil quasi mortoAo passar hoje, tarde, pelo becco do

    Pao, encontrou o commissario Clapp, do5o districto, os desordeiros Joo Pereira deSouza, vulgo Avestruz, e Isidoro de Abreu,vulgo Camello., a promover desturbio emum botequim ali existente.

    Chamados ordem, pela autoridade, quesc achava acompanhada do guarda civil n.445, encrespanun-sc os vagabundos, tendoo Avestruz sacado de um revlver, comque alvejou o guarda civil 11. 747, que aor-rera ao local, dcsfechando-lhc dous tiros,

    Felizmente ar, balas erraram o alvo, sendoAvestruz e Camello, que se achava ar-mado de navalha, levados a. grande custo,para a delegacia do b districto, onde, dc-oois dc autuados foram mettidos no xadrez.

    O novo general de brigadaO Sr. general Sotero de Menezes procU-

    rou hoje o Sr. ministro da Guerra parasoTicitar 4 sua reforma do servio militar.

    Os dous travaram ento pequena palestra,na qual o general Sotero expoz ao seucollega os motivos desta resoluo que se-ria inabalvel, apezar dos conselhos que o

    gd.eral Vespasiano procurou dar-lhe, atn-man.Io-o a ontinuar na activa do Exercito.

    No. Positivamente me reformo, disseao ministro o Sr. Sotero. Esperarei a mi-nha reforma na Bahia para onde embarco,no h'io de Janeiro, depois de amanha.

    O general Vespasiano correu ento a Ie-var a novaa o presidente da Republica c,diante via resoluo do general Sotero deir para a Bahia, S. Ex, hoje mesmo man-dou lavrar o decreto reformando aquelleofficial. ',

    Hoje mesmo foi cscoThido o novo generaldc brigada que ser o coronel Lino Ramos,director da Intendencia da Guerra. _

    Este cargo continuar a ser preenchidopelo novo general por mais algum tempo,embora seja misso de coronel. Por deverde justia devemos registrar que esta nomea-o foi recebida nas rodas militar

    * com

    grande sympathia.

    mediconHta do

    abe-Ho_.

    Exonerando, a pedido, o Dr. HenriqueDevoto dos cargos de director e lente daquinta cadeira da Escola Agrcola da Bahia,nomeando para interinamente exercer osmesmos cargos o Dr. Jos Marques, inspe-ctor do 3. districto do Servio in Inspe-co e Defesa Agrcolas;

    concedendo autorisao Soeiet Sucri-re de Rio Branco para continuar a funecio-nar na Republica;

    concedendo patente de inveno a diver-sos senhores. i ; 1MINISTRIO DA JUSTIA _..'.!

    Abrindo o credito de cincoenta contos parao pagamento de auxilio ao curso de engenha-ria, mantido pela'Universidade do Paran;

    Criando brigadas da Guirda Nacional nosEstados de Minas, S. Paulo, Matto Grosso,Cear, Pernambuco e Par.

    MINISTRIO DA VIAORescindindo' o contracto celebrado com a

    companhia empreiteira' da E. F. Noroestedo Brasil e mandando que seja a sua cons-strtico feita pelo governo, administrativa,mente.

    Approvando o regulamento de marinhamercante c navegao de cabotagem.

    Tornando sem effeito o decreto que re-scindiu o contrato com a Companhia de Via-o S. Paulo-Matto Grosso para o servi-o de navegao do rio Paran, e seus af-fluentes.

    Concedendo ao engenheiro 'Justino Nor-bert, ou companhia que organisar, pri-vilegio por 7 annos para construeco, usoe goso de uma estrada de ferro entre Guar-.inget e Paraymirim.

    Sanccionando a resoluo legislativa queconcede 1 nno de licena com 2/3 de seusvencimentos ao trabalhador da E. F. C.do Brasil, Vicente Ferreira.

    Aposentando:Na Repartio Geral cios Correios:Marcellino Jos e Porphirio Coutinho de

    S, carteiros de primeira classe da Directoria

    Dr. Carlos Sampaio Corra,|iitnl Nacional.

    Clinica nWiea; cnm especialidade melestia1?!u. nt-ias e nei-.visua: II. 7 de Setembro 116dft3 s 5 horas da tarde. Teli.plione 4145.

    Re .d.ncia(Laranjeiras) Alice 05, ' 1

    Confeces modernas!

    para todos os preoa.

    D. MARIA AMALIA GUS-MO GAB.ZO

    Dr. Sylvio .uhizo, sua senho-ra c filia. , Dr. J lio. d A_u-rm _vr.il e sua .enlinra,'Di-, .1 urine ...iMzo. sua sonho-,ia c fillio_. o Di'. A.lliciiiav AniaVa UiismAo ..abi/.o. oc-corrido c _. Poowde 'aldas, c beMas 111 ine o 'u enterro se T*r*{am itlsS, no remi terio d H.Francls-\

  • 15$ntf

    Tfemaw- -

    m#:

    li

    ;yy

    tf-I

    '

    --

    tf,

    *\aaimBtB---*MBBaM-MB8aMgt"^^

    A NOITE .-OuSnta-fesra- .'de. Outubro de 9I3LOTERIA FEDERAL

    Resumo cios premios cia Loteria da CapitalFederal, plano 3o5, cxtralda hoje:

    935 iG:O00 00029178 , 2:000 00021126 1:000 000^4579..... , 1000 00037152 1:000 000

    Premios dc 200*00044i35 4S15 2.'oS517073 961 1221123(;0 41916

    O BIGH

    22S82192G3244613

    172702490.136823

    Resultado deAntigoModernoRio-Salteado

    Ijoje935702281

    CobraAvestruzTouioCoello

    Da plataAs primeiras

    --&*

    ^\^'

    |A nARSOCEANICA"EMPRESA DE VIAGENS

    Carta patente n.33--Capital 200:000$000T-lcphone 5892 ZZ Caixa Postal 1715

    RUA DA QUITANDA, 120Succursal em S." Paulo - Rua Quintino

    Bocayuva n. 41 De accordo com os tres finaes (935) da

    . Loteria Federa! extraliida hoje, foram sor-teadas as inscripes das series :

    A (liberal) 435B (Especial) 435C (Snior) 435D(Popular) 435E --('Estaes Thermaes) 185

    , O fiscal do governo, Dr. A.ncyone Co*ra.A DIRECTORIA

    Rio de Janeiro, 23 de outubro de 1913.

    wr

    NOTA DA OinECTGWA-Na srie A foicontemp'ada a Exma. Sra. D. Maria SteliaRego, residente em Campos, Lstado doRio, aehando-se sua disposio umapassagem de ida e volta para a Europa,em primeira classe, e uma cambial de 30

    . libras esterlinas.

    ci uma.; revista- . eminente-mente ' plit.cri," scm cscabrsidade3 -c desti-nada ao mais franco successo.A f .jta de Alzira Leo

    No Rio Branco, a actriz Alzira Leo rea-lisa, no dia 4 de novembro, iim espectaculoem seu beneficio, que, certamente, vae tergrande concorrncia.

    O programma ainda no-es organisado.O Ntcola

    Rcabre.se sabbado o Pavillto Intcrn.i-cional para apresentar ao publico uma ceie-bridade americana, o grande artista Nico-Ia, que, pela primeira vez, vem ao Brasilexliibir as suas provas de ilittsionismo, pre-stidigitaOes e outras cxcentriijdades.

    Acompanha-o uma troupe muito afina-da nessas especialidades.O Fausto descansa...

    Achando-se doente a actriz Maria Gril-Io, interrompe-se hoje o successo. do Ftis'to.-. Represe.nla-se o drama nutico Fjlnado mar;;-. O drama fantstico voltar sce-na sabbado e domingo.A noite to Fonseca ',

    Faz amanh beneficio, no. So Jos, oactor lvaro Fonseca. Representar-se- aopereta Ninich, tres actos de verveportadores dc magnficos nmeros de mu-sica.O theatro de Aracaju'

    A companhia dramtica-' sob a direcodo artista Romualdo Figueiredo, embarca 'no

    dia 2Q de novembro, a bordo do vaoor na-cional ris, para Aracaju', onde vae inau-gurar o novo theatro Elite.

    fmcciomrios da secretaria da Directoria Ge-ral _de Snude Publica, em que solicitam aequiparao dc seus vencimentos aos dosseus collegas das actuaes directorias da $'*cretaria da Justia.Parecendo primeira vista ser e-ciempo-rano o pedido, attendendo s condiesfinanceiras do paiz, no o entretanto, siobservarmos que a sua approvao, peloCongresso Nacional, alm de ser a repara-o de uma injustia, trar vantagem 'paraos cofres pblicos, porque si os furiccih-rios lesados conseguirem em ultimo recur-so, como parece evidente, obter por sen-tena judiciaria o reconhecimento de seusdireitos, conferidos por lei, a*equiparaoque reclamam lhes ser, naturalmente, con-cedida, a contar da data do decreto n. 2.092,de 31 de agosto cie 1909, que equiparem osvencimentos dos funecionarios de todas assecretarias de Estado, vista do dispostodo art. 3.9 do rcguaimsnto anncxo, ao cie.creto n. 5.150, cie S de marco clc 1004,de accordo com o decreto legislativo- nu-mero 1.151; dc 5 de ianeiro do mesmo anno,que constituiu a Directoria de Snude Publi-ca uma das directorias da secretaria dc Es-tado da Justia e Negcios Interiores.

    O decreto que reformou ultimamente amesma secretaria, embora houvesse trisf-rido para a directoria do Interior o expc-djente putrfora elaborado na Directoria deSnude, no annuilou o direito que assisteaos referidos funecionarios da Siudc, no sporque delles no cogitou, coroa porque alei no tem effeito retroactivo.

    _ Em difficil situao se acham os funeciona-rios cio Labonitorio Nacional de 'Analyses,cuja cooperao na engrenagem' admini.lra-liva incontcstavelmcnte importante, dadasas attribuics tiscae- e elucidativas nas das-sificaes das Alfndegas, principalmente nado Rio de Janeiro, onde est o mesmo instai-datencia, com uvtirisu-t cio !':Si* Di

    . .. ene.fi. dc> E.v.nio; tf^.y.tftf}sito, u., ii!.:ei uni fippek) ]O"'povo

    ...-ita cidade, para o filn uc cohjbir' piau-cas_ abusivas, que tem determinado grave.-,prejuzos aos servios da Assistncia Pu-blica, prejuizos que se refleetem principal-mente na populao carioca 'e que augmen-taro sempre clc maneira grave, si destano partir ura bom movimento em auxilio'da administrao daquelle Posto.

    Innuineros chamados que, por sua natu-reza,_ sernjo caracter de extrema urgncia,no justificam absolutamente- a intervenoda Assistncia perturbam freqentementeoutros, verificados na mesma occasio enique necessrio, urgente e indispensvel osoecorro medico, tm chegado .ultimamenteao Posto Central dc Assistncia.' Des/ar-te a prpria populao a sacrificada.

    O servio de soecorro medico de extre-ma urgncia, tal qual se acha entre ns es-tabelecido, seja-nos licito declarar,, noexiste cm nenhuma outra parte do inundo,e para que esta organisao feliz *seja man-tida, torna-se necessrio que quchi delle seutilisa, isto , a populao desta capital,procure por todos os modos evitar abusos,cujas conseqncias, prejudiciaes aos ser-vios, sobre ella prpria revertem.

    Ao inicio da Assistncia, resolveu a altaadministrao que todo e qualquer pccliclodc soecorro fosse immedifamcntc atteudi-do, no se procurando saber do que, nemde quem se tratava e nem mesmo cias con-dioes do local; taes, porm, 'foram os cx-cessos, que houve necessidade de modifi-car esta praxe, estabelecendo-se ento in-dagar previamente do que determinava ochamado.' Infelizmente, esta medida que, ao prin-cipio, foi dc resultado efficaz, j se vae;tornando nula c, a continuar o que actual-mente se est ciando, a administrao terde tomar providencias mais enrgicas para/me o servio, at hoje irreprehnsivel eapplaudido por to tos, no se inutilise uni-:,camente pela ida errnea que delle fazemcertas pessoas, com prejuizo da totalidadeda populao que o aproveita.

    E' preciso que cada um dos habitantesdesta cidade se convena clc que o soecorromedico de extrema urgncia em beneficioexclusivo do prprio habitante e assim .i elle que compete zelar por aquillo que,nas oceasies clc angustia, vae levar-lhe olenitivo prompto, mmediato, e muitas vezes salvao da sua prpria vicia.

    O Posto Central de Assistncia declara[ue, em hypothese alguma, altender-fr?,le sua sede :

    a) aos doentes de molstia commum,em caracter de urgncia;l>) a parturientes em domiclios, jsjvopara removel-as para as maeniidades;c) ao? casos de .ataques habittiaes;:d) s pessoas que, portadoras de feri-mentos leves, possam andar sem sacrifcio.Entretanto, quaesquer destes doentes

    uma vez que vo ter ao Po^to, praa daRepublica n. nr, ahi recebero os -piicUros soecorro* dc que carecerem.

    Torna necessrio o presente -'appello i]falsa intuio de,grande.'iiunicfro-,de- pessoase. .mesmo '.'d. muitasV.aitoridadefl.. policiacs.qie, pr manter o Posto Central de Assis-'encia o servio medico dc extrema urgeu-cia sempre em funecionameno, julgamque, a propsito de qualquer molstia,

    ' de-

    vem chamar immediatamente o medico da\ssistencia.

    Ora, dc uma vez por todas, preciso ficar bem na memria de todos que, chama-:lo um mfdico da Assistncia, com todo ocustoso mateiial necessrio para um. cum-tivo de extrema urg-ncia e no local apre-sentando-se-lhe um enfermo uns coiiclile,ciladas na rela':"." da pagina ahtcrint m

    A voracidade dos au- "A

    NoiVmutldi'^

    Obra5 P".'. (cleyi

    ;*.;'< ir

    tomoveis officiaesEbl*ES VO AUGMENTANDO!..

    Recebemos a Ueguilc carta:Sr. redaclor -- Li, hontem, no vosse.

    criterioso jornal apreciaes sobre os ga*to:.com automveis officiaos, letMo escarrado ',V. S. a Repartio de Agu* ehlM54 iii'i*ca em cuc o a' ;*ox*am:,--n n rircie o. tnirl .'ivi -:-,j;j tktfvtfcm uai lVa^iif/cc -i-ioaiovcjnat;cf-i';..-iL-o

    ' Central,'' rnnmW .':i\ W,L :fiit. i-t/iotivcl vivenda, siluao, -. wx&v

    d o Frnci-jcq Xavier, e que -iamserve para o* seus passeios e de pessoas dCASAMENTOS ,

    Relis-se fToj hslatodo Dr. Antnio de Paula Fongado no -nosso foro, com a senhoffiDias da Silva. . i "'

    O acto civil efieetuou-.*e l honSidencia do Dr, Augusto Brando1,noiva, e p religiosc- s 11 horas ,do Sagrado Corao de JesusNASCIMENTOS

    18 do ty

    sabida"per-da far este medico e, portanto, ater tido unicamente um resultadoturbar" boa regularidade do servio

    Assim, pedimos c esperamos que este ap-pcllo no caia em terreno estril, cjue s se-jam transiiiittidos ao Posto Central de As-sistencia pedidos de soecorros mdicos noscasos graves e urgentes, repelindo aindadc modo claro e preciso o Posto Centralde Assistncia "no faz clinica" soecor-rc, sim, ao enfermo de occasio, cuja mo"-lestia ou leso reclame uma intervenoprompta.

    Aproveitamos o ensejo para pedir aopovo desta capital que procure sempre aca-tar a lei que concede livre transito s am-bulancias, dando-lhes passagem franca,pois este nin factor importante na pres-teza do soecorro.

    Ao terminar, affirmamos mie o bom exi-to dos servios, a cargo do Posto Centrald Assistncia, depende nica e exclusiva-mente desse mesmo povo, a cuja guarda

    Foi augmejitado no diao lar do Dr. Laurindo Icmgrifber FlSo nascimento de um menino, que 3na pia baptismal o nome de EurW- O Sr! Dr.' Frcdrico Eyer, SSnossa Faculdade dc Medicina e suaiconsorte D. Augusta Abreu Lima h.o seu lar atigmentado com- 0 "hSoceorrido hontem, de Alaidc.VIAJANTES

    Pelo Araguayw- seguiu para a tacompanhado de.sita Exma. esposanfiiha, o Sr. Alberto Rodriguel Bri'gociante de nossa praa.-- Est nesta 'cdpital,- vindo de Un-na, onde iniuencia politica o SMenezes Pinto, icjjiico' naquella cidi Regressou da Europa com suaiesposa, o Dr. Augusto de Brito B'Mxo, lente da Escola Nava1 desta canil-LUTO R

    fica, e que delles deve "usar" cm seu be-neicio, mas, ainda em beneficio prprio,no "abusar'"

    "TrnTiirir i i nu uimimimiuRpigos de Ajmnium

    Variado sortimento H DOMICIlilO *- sem pect*btfdidospspa tal fim.

    Mpas explppadopas e lambem tas sao aquellas que s appescnlam(antiqascontpamcstpas da Casa das Fb.dBs Ppetas.Pedro IS.-Queira'

    ... W||| iiii^MHBBSHSeco ineditorial

    COROAS de flores naturaesCASA JARDIM-Rna Gongalvef3 Dias, 38

    Drs. Bulhes Pedreira, Eugnio de Bar-da, est acima de qualquer aprcciV-uo nor -f e ^o5 ^cc^re'ra' advogados. Rua dopiais favoravei que seia. Hospcio 12, telephone 4130 (Q.

    o p 1 i.p pie ti a imSem despesa, sem ingredieiile algum em 4 minutos.Eis o ideal realisado pela machina d< meslica para n-elo"ARGTSG"

    Indispensvel eutiligsimons.casfts particulares, nas fazendas, pharma-cias.consultorios, laboratrios t^dicos, ambulncias e pequenos hospitaesJ. R. DE ROSSEfD-lL & C-nicos wmnm " *

    71, Rua do CarmcM0 and.' Rio de Janeiro

    CompaoMa Lacticiaios de Joizde ForaEntrega n cloiniei

    homognisaa.LKlTi* *,i a $$$??V?2.? cAMA ENTARCR ANCAS vIN!S')pARAGnr-.nte.8o a pur^n de SJ^,an,e,l?a "' Departanif"aos Estados do Sul da Garantia da Atzonia ~ Rio de janeiro: Tendo recebido hoje desre Denarlam* ;por intermdio do Sr.. Luiz Carlos' Pinto. % ,representante nesta cidade, em nome clf 8 .nna constituinte D, Maria Vitalina Fet;i '

    cte quem sou procurador,.a quantia dc &' '

    contos de ris, (Rs. 5:000$000), impor-'cia da apoi.ice de n. 16.341, relativa *>*..,juro ue vida que firtira nessa oanceitua."^ciedade, o failecido marido da referida *nha constituinte, Sr. Jos Pedro de MeddlJrabre a c,ual elle jjgotl apenas duas naJnes, venho por meio desta penhorado agra'eer-Iliera eorrecc que da parte dessa---ledade encontrei para o effe.livo paS11^ -o e liquidao do ir.c;mo setruro, o que n" ,...uma ve:*' veio demonstrar a ii ura com q,"t; .ijarantia da Amar,o.*ia> attende a w. 'resse* a ella conliados, irr.pondo-se assim1coit-ideraci) pub'ica e preferencia defaos cs chefes dc fami ia qu; desejam *(jurar o futuro dos seuj,Queiram fazer desta carta o uso que a*rem conveniente aos interesses da respef*va sociedade que to dignamente M .pois fera maii urn tteitado rara juntarque c.ia possue sohrtra^fecei idade comf3oa cumprimento ; suas ori^aes.

  • v\'tf

    -'l"?lN"W*w .

    A NOITE --Quinta-feira, 23 de Outubro de I9i3i *> M.mx ;rs. eleitores a comparecerem

    rsuas respectivas seces elei-fpes, afim dc darem os seus vo-

    que podero recair, cm seisnes; ou na seco mais pro-ia, quando na sua seco tiver

    fido recusa de fiscal, ou noItiver reunido a mesa at spioras, mas neste caso os seustos sero tomados em separa-

    c retidos seus titnlos paraem remettidos junta apu-

    Jora.-icam advertidos uns c outros,os votos dos cidados in-

    jiidos na reviso de 1910, seromadps em separado, c que, por

    tratar dc eleio municipal,jVotao no poder ser eneer-ia antes das 2 horas da tarde,jitlendo, comtudo, sc!-o mais tar-si aquella hora no estiverIncluda; advertidos ainda dasmais instruces constantes doicreto n. l.44'3 citado.

    PRIMEIRO DISTRICTOmeira Preteria andeiariaPRIMEIRA''SECO - Local:,partiu""*"" acraI-"dos ?Tagr-os, lt.o .d--.mar .--, -,Mesarios: tenente-coronel Jooiiseca Ribeiro Bastos, presi-ite; commendador Joo Car-

    de' Oliveira Rosrio, Cla-|por Valle dc Oliveira, ErnaniSmcisco Borges, Alamiro Men-

    Supplentes: Arsenio de Nie-{ver, commendador Csar Au-isto de Carvalho, Dr. Sylvio

    Motta Rabello, Alfredo Ba-lista Cabral, Ernani Lodi Ba-Ilha.

    EGUNDA SECO - Local:lltseu Commercial, Praa Quin-

    tlc NovembroMesarios: Major Estefanio

    onteiro da Rosa Presidente,Lui? Pio Duarte Silva, Hora-Ramos Machado Jnior, An-

    nio Alves da Silva Porto, Aris-phncs da Silva Lima.Supplentes: Jos Bessa Alre-

    > dc Carvalho, Alberto Gnal-ps de Assis Teixeira, Dr. Anto-B Barbosa, Alfredo Augusto da

    sta Abadiado, Antonio Ame-da Silva Cordeiro.

    JTERCE1RA SECO- Lotai:ixh da Converso, rua Pri-

    ?iro d Maroj-Mesarios: Joanico de .Arauiopantia, presidente; coronel An-mio dc Castro Brown, Pedrorancisco Borges, Joo Renclloonalves, Joo Victorino da

    ilveira e Souza Filho.Supplenlcs : lvaro Lazai-y,ctavio Guimares, Dr. Noeni.oi Silveira, majoi Theodoro Lo-o, Anlonio Belhain.

    QUARTA SECO -- Local:Posto do Corpo di Bombeiros,irua do Mercado

    Mesarios: Lindolpho Nigro,pre-idente; capito Antnio Pe-reira Vallado, capito ele-tihoJos de Marins, tenente AdrianoJoaquim Ferreira, Auguso Perci-ra Maia.

    Supplenies: Cndido J.>s dciBoiiistu-ecsso, Arthur Alvt* daRocha. Paranhos, Antnio

    '.opesdc Moraes, tenente Hcnriifiu An-drew He ver, Bernardino AnnsoPereira Nunes. ,

    QUINTA SACO - Loi.il:Kimazem de bagagens da AJfwn-de;a

    Mesarios: Carlos Thomaz P(-reira, presidente; coronel Adaiberto Frederico Bc-neck, lencnte Orlavio Ignacio de Souza Valente, Jo-6 Thomaz Gomes, Augusto Ce-sar Guimares. '

    Supplentes: Joo Pereira Dur-morftl, Jos Willetnsens, Joo Do-mingos da Costa, Manoel Tei-xeira Btos, [oo Luiz Pereira.

    SEXTA SECO -- Local: Re-partio Geral dos Correios

    Mesarios: Dr. Fortunato Eras-mo Conlaro. presidente; Dr. Jo-s Pinto Ferreira Morado, Cypria-no Jos Dias de Carvalho, Isido-ro F. Kohn, Julio Pelagio Fa-villa Nunes.

    Supplchtcs: Joaquim Caetanodc Mello, Fernando Ha-sloc.T-r,.loo Baptista Ballariny, Dr. Rc-nato Guimares cie Souza Lopes-Anlonio Ricardo Barbosa Romeu.

    STIMA SECO -- Local:Guardamoria da Alfndega

    Mesarios: Francisco FerreiraCampo-. Jnior, presidente: Ag-tinlio dc Campos Ribeiro, Mauoe!da Silveira Brito, Pedro Luiz deCarvalho, Juvenal Jos da Sil-veira.

    Supplenies: almirante Carlos

    osc de /aujo Pinheiro, Aldemarde Map-hes Cavalcanti dc Al-buiucrfHc, Maihias Esteves daSilva; parcli Jorge da Silveira,Pcdro.Corino dc Arajo Ferreira.

    Ql/AVA SECO ~. Local:Aqciia da Prefeitura'\csarios:' Dr. Francisco de Re-go/Barrbs Figueiredo, presidente;jc/o dc Castro Noronha, Fran-t-i-ro da Costa Braga, Joo Soa-r/s de Arajo, major Joaquim jo-f da Silva Fernandes Couto. .

    / Supplenies: Francono Carrien,. Glifistjn Boavenlura da CunhaPinto, Jo-u dc Mctlciros, Dr.Joo Cordeiro da Graa, Mriode Souza Ga-lvo.

    NONA SECO - Local: edi-licio da Primeira Pretria

    Mesarios: Dr. Luiz Pereira Fer-reira de Faro, presidente; 'ooAntnio de Almeida Gonzaga,Carlos Gomes Xavier, AmricoWashington Favilla Nunes, Alfre-do Varella.

    Supplentes: Ernesto CarlosGui-Iherme Hasslocher, Antnio Josdc Abreu, Joo Washington Soa-res Pinto,

    "Dr. Alfredo Santiago,

    Hugo Lopes.2. Pretria (Santa Rita)

    PRIMEIRA SECO - Local:Rua Camerin n. 51 -- EscolaAffonso Penna, sala cia frente

    Mesarios: capito de mar eguerra Arthur Alvim, presidente:Antnio Cyrillo de Lima, Tancre-do Godolredo dc Arajo, JooTeritiliatio Maciel Azamor, Arthurdc Souza Arajo.

    Supplentes: Antnio FranciscoFructuoso, Augusto Luiz PinnaJoo Manoel adesbarne, PedroFelippe Floret, Alexandre Fortu-nato Ferreira.

    SEGUNDA SECO ~- Local:rua amerino rt. 51 EscolaAffonso Penna, sala dos fundo;

    Mesarios: Waldemar da Crii"

    .Veras Ramos, Joo Teixeira Men-des, Antnio Alanocl de Sapt-An*ria;

    Supplenies: major Manoel No-ge'ii'i dc Oljv.ifii: Jnior, Cvril-lo Menezes do.- Santos, capitoJos Augusto Teixeira Serra, Sa-muel Ccsar Costa, TheodoricoFrancisco da Cruz.

    SEGUNDA SECO -Local:Saguo do Ministrio da Fazenda,antigo saguo da Escola de Bei-las Artes

    Mesarios : Francisco AntnioNigro, presidente; Gabriel Cer-queira dc Carvalho, Alfredo Bar-bosa Sampaio, Alfredo Braz dcSouza, Antnio Mendes dos San-tos.

    Supplentes: capito Joo Al-ves Salazar, Bernardo Teixeira deFaria, lldeonso Tdlctano de Ara-ujo, Alfredo Ferreira Chaves, Dr.Jeronymo -'.Mximo Nogueira Pe-

    ^TERCEIRA SECO - Local:Secretaria da Justia (saguo),praa Tiradentcs

    Mesarios: Jos Antonio Ber-nardes, presidente; Juvenal daSilva Ribeiro, Benedicto d Aze-vedo Lop;?, Augusto MonteiroMeirciles, lvaro Decio Guima-res. -.

    S.ipplentes: capito Arthur Mo-reira da Silva, Luiz Julio de Oli-veira, Joaquim Pereira Velloso,Joaquim Ribeiro de Souza Pei-xoto, Monocl Machado.

    QUARTA SECO - Local:Escola publica, rua da Constitui-co n. 28

    Mesarios: major Virgolino An-tonio Procna, presidente; E.u-clydes Noruega, Fclippe Cardosode Menezes, Horaci AntonioPestana, Manoel Pereira dos Santo?.

    Supplentes: Arthur Godinhodeurnpos, Philomeno Jocclyn Ri-

    Matto-, presidente; sVarrelino Rodrigues dc Azevedo, lvaro Ba-ptista Seixas, Raul Hyppplit daFonseca, Jco Carlos de OlivaMariviho.

    Supplentes: Eurico Antunes Ma-rinho, Carlos Frederico de Aibti-querque, Alfredo Jos Vieira, Pa-cifico Cndido de Britto, AlfredoGodofrcdo Brasa dc Arajo.

    TERCEIRA SECO - LocalExternato Pedro II Rua Mar-chal Fioriano

    Mesarios: lvaro de MattosCampisfa, presidente; Elydio Hy-polito dn Fonseca, Antonio Daii-tas da Silva, Luiz Manoel Pires,Augusto Tcles clc Oliveira.

    Supplentes: Jos Elias da SilvaJnior, Arthur Luiz de Carvalho,Antonio Torres Rodrigues, Al-rcJo Bessa lamos, Manoel Men-donca de Maria.

    QUARTA SECO - Local:Delegacia de Saude Publica Rua Camerin .- . ;'

    Mesarios:. Olympio de MattosCampista,- presidente; Albino Au-gusto. da Silva, Thonaz..Lauhca-no da Costa Ferreira, Guilhcr-me Felippe Floret, Manoel Pe-reira Madruga,

    Supplentes: Rangel de Mace-do Campos, Agostinho; Antnioda Costa, Manoel Fclicio de La-cerda Miranda, Jos Ignacio Leal,Raul da Silveira Caldeira.

    QUINTA SECO - Local:Escola Modelo Rua da Har-monia (sala dos meninos)

    Mesarios: Joar-uim Leonardodos S.mtos, presidente; SeraphimGabadas Pombo, Gervasio Anto-nio de Si Carneiro, Arthur Ben-to Vidal, Mario Bento Vidal.

    Supplentes: Hermano SoaresBarbosa, Joo Lucindo da Silva,Jos Tavares Ferreira Jnior, An-selmo Rosas, Rodolpho Jos Vi-eira.

    SEXTA SECO - Local: Es-cola Modelo rua da Harmonia(sala dos meninos) - .

    Mesarios: Jos Pedro Sampaio,presidente; Antnio Lucas, Al*varo Nunes dc Souza Porto, Deo*lindo Anacleto Doria, Vicente Ferrara,

    Supplentes: Custodio Jos deSant'Anna, Antonio Barbosa Leal,Joo Bernardcs Martins Esteves,Francisco de Almeida Santos Fi*lho, Jos da Rocha Soutello.

    STIMA SECO - Local:Escola Modelo rua da Harmo-nia n. 60 (sala dos fundos)

    Mesarios: Helvcio Ignacio Bo-1elho, presidente; Pdro Pereirade Vasconcellos, Venancio Rodri-gues da Costa, Hermenegiklo Xa-vier da Rocha, Hildcbrando P-reira da Silva.

    Supplentes: Carlos Cndido Pe-canada, Jos Xavier Lisboa, Joolanhcs Barreto, Joo FerreiraPitanra. Emlio da Silva Simas.

    OITAVA SECO (Ilha doGovernador) Local: Estaotelegraphiea no Zumby

    Mesarios: Sebastio Alves Fra-zo, presidente, Martjnho Bitk-n-ccr, Manoel Abreu, Antnio jo-s de Souza Pinheiro, RodolphoSouza Gomes.

    Supplentes: Alfredo PereiraGarcia, a-'to Leite Cabral, Ho-thylos Nunes.Sylviito Antonio Ba-ptista, Manoel Apparicio Barcel-lo*.

    NONA SECO - Local:'Agencia do Correio no Galeo

    Mesarios: Justino Francisco Go--ne-*, presidente; Domingos Pintod Magalhes, Antnio da SilvaK.-is, Arthur Pereira Reis, Anto-niv Mendes.-itppicnts': Veriano de Afiislj),Al.cdo ta Silva Reis, Aloisio deCar.Mho Gomes, Cccilio dc Al-teii Ribeiro, Manoel de Carva-lho Gomes.

    Dt-YI.MA SECO - Local:Escola Municipal da praia dasFloicheras.

    MelstWs : Arlhur Csar daFonseca, presidente; Jos Vicio-rino Teixeira, Frederico Jos Fer-naiidc--, Cito Fonseca, Joo Rau-dulplio de Oliveira.

    Supplen.s: Jos Joaquim Pa-checo Junir, Cndido Elesbo da

    Sayo, Dl-Corra de

    Silva, Manc-l Luizphim Mciira, JooMello.

    3.a Pretori-i (Sacramento)PRIMEIRA SECO - Local:

    Escola Poiytechni.a (saguo)Mesartos: Dr. Sabino Ignacio

    Nogueira, a Gaijta, presidente;Avertano Noruega, alferes Paulo

    C::beiro", Manoel das Chagas NevesDr. Alfredo Pereira d Azevedo,Dr. Antnio Mximo NogueiraPenido. .

    QUINTA SECO - Local:Saguo da Corte de Appellao,rtta Luiz. de niei*

    Mesarios: capito Florencio Ri-io Ferreira, presidente; Francis-cisco Bellarmino da Silva Porto,capito Joo Pereira Martins Ri-beiro, Sebastio Godinho de Campos, Joaquim Monteiro de Aze*vedo.

    Supplentes: capito Carlos Au-gusto Nogueira da Gama, Do-mingos de. Assis Sampaio, Vi-valdo Moncorvo Franldin, SamuelLuiz Ferreira, major HamilcarNelson Machado. '

    SEXTA SECO - Local :agencia da Prefeitura do 3.o dis-tricto (Sacramento), rua da Ca-doca n. 32

    Mesarios: Gustavo Bastos,pre-sidente; tenente Arthur Jos Fer-nandes, Hcnock Gonalves Paim,Jos Vieira da Cunha, BernardoVieira da Costa. ,

    Supplentes: Manoel Mathias Raposo Jnior, capito Leandro Si-raiva dc Mendona, tenente LuizMachado Loureno, Marciano Antonio da Silva Oliveira, Joo deSouza- Lurlho-

    Quarta Preteria So JosPRIMEIRA SECO - Local:

    Edifcio do Conselho Municipal.Mesarios: Joaquim dc Souza

    Moreira Jimior,. presidente; Car-los Vaillarit dc OIiVeira,'I';raficiscoGuerra, Francisco Reis; 'VirglioApoinario da Silva.

    Supplentes: Alfredo TeixeiraCarneiro, Jorge de Souza, Ma-noel Fernando de Mattos Gtiany-ba, Francisco Jos Mathias, Car-los Santiago.

    SEGUNDA SECO-Local:Bjbliotheca Nacional (saguo)

    Mesarios *. Oaspar da Silva Gui-mares, presidente; Raul Candi-do Pinheiro, Ludgero Feital, An-dr Cataldi, Ignacio Ferreira,

    Supplentes: Cndido Costa, Al-berto rioravante, Astolpho Mace-do Sodr de Mello, Eduardo Bar-bosa da Fonseca, Luiz Ignaciode Souza.

    TERCEIRA SECO - Local:Pcdagogium Municipal (saguo) Rua do Pseio

    Mesarios: Joo Baptista Tor-res, presidente; Manoel MarinhoLopes, Antonio Bazilio dos San-tos Jnior, Joo Jos de Lima,Antnio {jrrcira da Costa Braga.

    Supplentes: Henrique Bran-do, Francisco Salles dc Carvalho,Heitor dc S, Marhede Eduardcde Souza, Jos Marques de Maga-IhSs.

    QUARTA SECO Locai:imprensa Nacional Rua Trezede Maio n. 69

    Mesarios: Jos-Estanislau Bar-bosa da Silva, presidente; Carlos1 Frederico Pamplonajos de Mello

    I Percz, Affonso de Azevedo Ma-I rli- Oscar 'Augusto Teixeira.

    Suppleutcs: Joo Goston, An-tonio Gonzaga de Almeida, JooBernardino da Cruz Sobrinho, Au-gusto Moss de Castro, WaldemiroMassaierre Dias.

    : QUINTA SECO - Local-Dirio Oficiab (saguo) RuaTreze de Maio

    Mesarios: Mrcellino de ArnioPenna, presidente; Antnio daMotta Lima, Manoel Soares, Joa-quim do Couto, Joo Jos daSilVa.

    Supplenies: Acylino da CostaJacques, Francisco Joaquim Be-tencort da Costa, Eduardo Fran-co da Rocha, Arthur da MotlaLima, Raul Sugadas Vianni.

    SEXTA SECO - Local:Repartio dos Telegraphs (ladodo mar)

    Mesarios: Francisco Fernandesde Mattos, presidente ;Rur.cus Al-ves do Valle, Antnio Tavolara,Anlonio Luiz da Costa, OdoricoTeixeira Neves.

    Supplentes: Jos Luiz Mendes,Columbano Santos, Francisco Soa-rs de Assurripo, Antnio Josda Silva Brando, Alberiino Joa-quiln Marinho..

    STIMA SECO - Local:Escola Publica Feminina Ruada Misericrdia n. 50

    Mesarios: Anlonio Joaquim Machado da Cunha; presidente; Pe-dro dos Santos Lara, Carlos Al-berto da Fonseca Filho, JoaquimMartins da Silva Lima, AntonioMarques Pinto.

    Supplentes: Luiz Carlos Amat,Paschoal Rssiliers, Carlos Au-gusto Fallcr, lvaro Paes de Bar-ios, Joo Baotisla de Lima.

    OITAVA SECO - Local:Escola Publica rua de SioJos n. 41

    Mesarios' lvaro de SouzaMoreira, presidente; Manoel dePinho Frana, lvaro dc Castro,Antnio Diniz, Virglio Henriqueda Si'v.1.

    S.ipplentcs: Domingos Raphael

    Loureno, Jayme Guimares, Car-los Jos Teixeira, Julio Jos deCarvalho, lvaro da Silva.Quinta Pretria Santo Antnio:

    PRIMEIRA SECO -- Local:Escola Tiradentcs rua Vis-conde do Rio Branco

    Mesarios: Ernesto Felippe Ne-ir,, presidente; Diogo FerreiraBarbosa, Gil Augusto de Siquei-ra, Antnio Ferreira Madurcira,Hygino da Silva Pereira.

    Sipplentes: Jos Goulart dcMacedo Jnior, Jos Joaquim Feireira Jnior, Luiz Gonzaga daFonseca, Manoel do Amaral Se-gurado, A.lbino Lopes Furtado.

    SEGUNDA SECO - Local:Edifcio do Frum, rua dos In-validos n. 45? '-

    Mesarios: Frederico Azevedo,presidente; Antonio Vieira daSilva, Carlos Barretq, Francisco.Oscar do Nascimento, GastoTeixeira.

    S-Jpplcntcs: Dario Corra Mo-reira, FraneSscp Onofre Marinho,Alfredo Carneiro, Raymundo daRocha Aguiar, Constante Lobo.

    TERCEIRA SECO - Local:Escola Publica rua Frei Ca-ueca n. 119

    Mesarios: Anlonio Joaquim daSiiva Pereira, presidente; CarlosAugusto Bueno Ormerod, MiguelRomano, Raphael Al, Franciscodc Paula Costa.

    Supplentes: Frederico BuenoJnior, Joo Martini, FranciscoJos dc Almeida Saldanha, Luiz,Boaventura dos Santos, Joo LuizRegadas.

    QUARTA SECO - Local:Escola Publica rua dos nva-lido-, ns. 105 e 197 M